Pensar a fé teologicamente

Capa
Paulinas, 2007 - 296 páginas
0 Críticas
Trata-se de um livro elaborado por diversos autores, professores da Pontifícia Faculdade de Teologia Nossa Senhora da Assunção (São Paulo). É um conjunto de ensaios teológicos. Pensar a fé teologicamente é ter consciência de que toda reflexão cristã é, por definição, teologia e tem por razão fontal a fé. Essa relação intrínseca entre a fé e a teologia constitui, metodologicamente, o ponto de partida de todos esses estudos, no intuito de melhor compreender a fé em vias possíveis de como abordar, à luz da fé, os grandes problemas humanos. Depois do prefácio de dom Benedito Beni dos Santos, antigo professor dessa mesma Faculdade, um artigo introdutório, como um grande portal, mostra que a teologia parte sempre do agir de Deus na história, ou seja, das narrativas bíblicas, cujo alcance procura explorar a fundo, no intuito não somente de penetrar no mistério de Deus, como de entender, a partir de sua fonte, toda a realidade do mundo e da história. Maria Freire da Silva aborda o desenrolar das heresias e controvérsias que provocaram a realização dos primeiros concílios que teologizaram a fé. José Adriano mostra o passo qualitativo dado pela Escolástica, em particular, por Tomás de Aquino. Lisaneos Francisco Prates evidencia que a fé é mais abrangente do que uma experiência religiosa configurada e institucionalizada, do que um tipo de religião. Pedro Iwashita apresenta Maria como modelo de uma vida de fé. Cézar Teixeira reflete a fé a partir do título de Jesus como Filho do Homem e chama a atenção para sua missão e o seu destino em um contexto de tensão e conflito que, no final, é superado. Osmar Cavaca, no encalço da Modernidade e da pós-Modernidade, versa sobre o dinamismo da fé, focando a autocomunicação divina como chave de leitura de todo o cristianismo. Donizete José Xavier traça um caminho metodológico para compreender o alcance da relação entre a dimensão vertical e a dimensão horizontal da fé, em que se faz necessário voltar ao Jesus histórico como veracidade da fé. Valeriano dos Santos Costa evidencia duas dimensões fundamentais; celebração e testemunho. Antônio Manzatto encerra o livro propondo refletir implexamente os riscos da fé, introduzindo o leitor na dialogicidade da Modernidade e da pós-Modernidade na complexidade da sociedade que, equacionando as incertezas, é sedenta de certeza. Não bastasse isso, a obra, centrada na fé, dá testemunho da vivacidade da teologia entre nós.

No interior do livro

Opinião das pessoas - Escrever uma crítica

Não foram encontradas quaisquer críticas nos locais habituais.

Livros relacionados

Índice

PREFACIO
5
Nicéia e a definição de consubstancialidade
26
O Concílio de Constantinopla I 381
39
Direitos de autor

15 outras secções não apresentadas

Palavras e frases frequentes

Informação bibliográfica