Chronica do descobrimento e conquisita de Guiné (e-Livro Google)

Capa
J.P. Aillaud, 1841 - 474 páginas
0 Críticas
  

Opinião das pessoas - Escrever uma crítica

Não foram encontradas quaisquer críticas nos locais habituais.

Livros relacionados

Páginas seleccionadas

Outras edições - Ver tudo

Passagens conhecidas

Página 57 - Eannes a departe, o encarregou muyto que todavya se trabalhasse de passar aquelle cabo, e que ainda que por aquella vyagem mais nom fezesse, aquello terya por assaz. Vós nom podees, disse o iffante achar tamanho perigoo, que a esperança do gallardom nom seja muyto mayor; e em verdade eu me maravilho, que...
Página 20 - Sem comparaçom foe cobiiçoso dacabar grandes e altos feitos. Luxurya nem avareza nunca em seu peito ouverom repouso, porque assy foe temperado no primeyro auto, que toda sua vida passou em limpa castidade, e assy que virgem o recebeo a terra.
Página 133 - ... contra os outros; outros estavam gemendo muy doorasamente, esguardando a altura dos ceeos, firmando os olhos em elles, braadando altamente, como se pedissem acorro ao padre da natureza ; outros...
Página 337 - Aparelhou logo Pallenço sua fusta pera sayr a terra, e como quer que a calma fosse muy grande, todavya eram muy -grandes vagas na costa, as quaaes nunca derom lugar que a fusta podesse prooar em terra...
Página 49 - ... e secretas, segundo a callydade de Saturno, em cuja casa elle he. E por seer acompanhado do sol, como disse, eo sol seer em casa de Jupiter, senificou todos seus trautos e conquistas seerem lealmente feitas, ea prazer de seu rey e senhor.
Página 103 - I fia n te pera ir com seus navyos a Guinee. A. condiçom da plebe, como diz Titollivyo, sempre he prasmarem de grandes feitos, principalmente nos começos ; e esto me parece que seja pollo conhecimento que nom ham das fiins; ca o pequeno coraçom, quando vee o fundamento das grandes cousas, sempre lhe parecem muyto mayores do que ellas som, e porque o seu animo nom pode abastar pera o comprimento dellas, traz comsigo hua natural duvida de se poderem acabar.
Página 57 - Xpo de mil e quatro centos e trinta e trez. Mas logo no anno seguinte, o iffante fez armar outra vez a dicta barcha, e chamando Gil Eannes a departe, o encarregou muyto que todavya se trabalhasse de passar aquelle cabo, e que ainda que por aquella vyagem mais nom fezesse, aquello terya por assaz.
Página 14 - Já quisera fazer fim deste capitólio, se nom vira viir a multidom dos navyos com as vellas altas, carregados das islhas que tu povoraste no grande mar Oceyano, braadando que os aguardasse, ca me queryam mostrar como nom devyam ficar fora do registo daquestes. E mostraromme suas grandes abogoaryas, e os seus valles todos cheos daçucar, de que espargiam muyto pello mundo.
Página 57 - Eannes, seu escudeiro, que ao despois fez cavalleyro, e agasalhou muy bem, o qual seguindo a vyagem dos outros, tocado daquelle meesmo temor, nom chegou mais que a as ilhas de Canarya, donde trouxe certos cativos, com que se tornou pera o regno.
Página 58 - O iffante era homem de muy grande autoridade, polla qual suas amoestacoões, por brandas que fossem, eram pera os sesudos de muy grande encarrego, como se mostrou per obra em aqueste, que despois destas pallavras, determinou em sua voontade nom tornar mais ante a presença de seu senhor, sem certo recado daquello por que o envyava; como de feito fez, ca daquella vyagem...

Informação bibliográfica