Palmela, chão que dá uvas: A terra e o trabalho das gentes (1945-1958)

Capa
Edições Colibri, 20/12/2013 - 204 páginas

Nas páginas deste livro apresentam‐se experiências e valores de centenas de agricultores, que fizeram a charneca produzir os bens essenciais de que careciam e, também, os vinhos que apreciavam. Muitas vezes, os historiadores recorrem apenas aos documentos escritos, que melhor conhecem ou que estão mais acessíveis. Mas, neste caso, a ânsia de captar a diversidade de perspectivas e identificar os vários protagonistas conduziram a autora a procurar os testemunhos do passado em entrevistas, fotografias, mapas, paisagens, edifícios ou alfaias agrícolas. A recolha e o cruzamento de um amplo conjunto de informações revelou‐se essencial, para compreender as várias dimensões que envolvem a exploração da terra. [Dulce Freire, Prefácio]

No interior do livro

Acerca do autor (2013)

Cristina Prata é licenciada em História (Universidade de Coimbra, 1998), pós‐graduada em Museologia e Património (Universidade Lusíada, 2000) e mestre em História (Universidade de Lisboa, 2011). Desenvolve pesquisa sobre as estratégias de ocupação e uso do solo na Península de Setúbal, tendo particular interesse pelas culturas da vinha e do arroz. Desde 2002, é técnica de História e Museologia na Câmara Municipal de Palmela, onde desenvolve trabalho de investigação e educação sobre memória e património local e regional. É investigadora no projecto: PTDC/HIS‐HIS/122589/2010, Agricultura em Portugal: Alimentação, Desenvolvimento e Sustentabilidade (1870‐2010), do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa.

Informação bibliográfica