Os Serões do Convento

Capa
INDEX ebooks, 20/08/2018 - 280 páginas

Em três noites, as freiras de um convento português divertem-se ao serão a contar onze narrativas eróticas, cuja finalidade é mais que criar uma “perfeita intimidade” entre elas: no final do primeiro serão, na cela de Soror Teresa de Jesus, as freiras saem aos beijos em casais ou trios, dirigindo-se às suas celas.

Segundo os autores do prefácio, Helder Thiago Maia e Mário César Lugarinho, "no caso de 'Os Serões do Convento', podemos dizer que a primeira comercialização do livro não acompanhou a liberdade experimentada pelos seus personagens. Enquanto a narrativa está marcada, em grande parte, por uma desterritorialização das normatividades de género e sexualidade, a forma de comercialização do livro, dentro da categoria 'romance para homens', não só indicava o conteúdo erótico da obra, como também sugeria uma limitação do público ao qual o gozo da leitura estava destinado. (...) Essa prateleira/categoria literária, no entanto, foi responsável pelas primeiras representações conhecidas, em português, de dissidentes de género e de sexualidade. Foi assim que, sob o signo da libertinagem e/ou da patologização, surgiram os primeiros personagens que se relacionam sexualmente e/ou afetivamente com personagens do mesmo género, assim como também aparecem personagens que transgridem as normatividades de gênero. Dessa forma, 'Os Serões do Convento' é também parte da historiografia literária LGBT brasileira e portuguesa, por apresentar personagens dissidentes, especialmente mulheres cisgéneras que se envolvem sexo-afetivamente com outras mulheres cisgéneras, assim como personagens que transitam entre a masculinidade e a feminilidade, ainda que seja com interesses principalmente sexuais."

 

Opinião das pessoas - Escrever uma crítica

Não foram encontradas quaisquer críticas nos locais habituais.

Páginas seleccionadas

Índice

Secção 10_
Secção 11_
ii
Secção 12_
ii
Secção 13_
ii
Secção 14_
ii
Secção 15_
ii
Secção 16_
iii
Secção 17_
vi

Secção 9_
Secção 18_
cxi

Palavras e frases frequentes

Acerca do autor (2018)

José Feliciano de Castilho Barreto e Noronha (Lisboa, 4 de Março de 1810 - Rio de Janeiro 11 de Março de 1879) foi um jornalista, escritor e advogado português.
Era filho do Doutor José Feliciano de Castilho (1769-1826) e de D. Domicília Máxima Doroteia da Silva, irmão de António Feliciano de Castilho e tio de Júlio de Castilho. Estudou direito em Coimbra, mas aos 19 anos, depois de estar escondido dentro e fora de Lisboa, devido às perseguições absolutistas, partiu para França, onde os seus irmãos já se encontravam emigrados. Bateu-se na Revolução de 1830. Formou-se em medicina em França onde leccionou mnemotecnia (técnicas de estimulação da memória).
Colaborou no Independente, na Guarda Avançada aos Domingos, entre outros, e em 1841 fundou a Revista Universal Lisbonense com o seu irmão Alexandre Magno. Também se encontra colaboração sua no Jornal da Sociedade dos Amigos das Letras (1836), Revista do Conservatório Real de Lisboa (1842) e na Revista Contemporânea de Portugal e Brasil (1859-1865).
Em 22 de Março de 1843 foi nomeado bibliotecário-mor da Biblioteca Nacional de Lisboa, e, em 1846, foi tenente-coronel do batalhão dos Voluntários da Carta e deputado nas legislaturas que ocorreram depois do golpe de Estado de Costa Cabral. Nessa altura, fundou a Livraria Clássica Portuguesa com o seu irmão António Feliciano da Castilho.
Em 1846 estabeleceu-se como advogado no Rio de Janeiro, onde fundou o jornal Íris e colaborou em diversos periódicos. Foi casado com a inglesa D. Mariana Maynard, de quem teve filhos.
Principais Obras: Os Estudantes de Coimbra, ou Um Fidalgo como há muitos (comédia em cinco actos, 1827), O Grito da Liberdade (Paris, 1830), Traité de Mnémotechnie (Paris, 1831), Cartas de Manuel Pequeno ao seu Companheiro Artilheiro (Lisboa, 1836), Arte de Ser Amado (Lisboa, 1837), Traité du Consulat (Hamburgo, 1839), O Governo Britânico e Portugal, Julgados na Presença dos Acontecimentos Contemporâneos (Lisboa, 1843), Unde Salus? Considerações Políticas (Porto, 1851), Íris Clássico (Lisboa, 1859), Ortografia Portuguesa (Rio de Janeiro, 1860).

Informação bibliográfica