O Instituto: revista scientifica e literária

Capa
Instituto de Coimbra., 1898

No interior do livro

Outras edições - Ver tudo

Passagens conhecidas

Página 514 - Mas attentem os monarchas e os povos, que a injustiça ea immoralidade de uma guerra, por mais felizes que sejam apparentemente os seus resultados, nunca deixa de ser punida cedo ou tarde, pelas leis invariaveis da ordem eterna, que o Supremo Arbitro do mundo prescreveu a todos os seres, e ás quaes não póde esquivar-se, nem a força, nem a grandeza, nem poder algum sobre a terra. Lisboa, 15 de dezembro de 1820.
Página 738 - Sur une nouvelle méthode pour déterminer la chronologie des dialogues de Platon.
Página 511 - ... constituição, de uma lei fundamental, que regulasse os limites do poder e da obediencia ; que afiançasse para o futuro os direitos ea felicidade do povo, que restituisse á nação a sua honra, a sua independencia ea sua gloria, e que sobre estes fundamentos mantivesse firme e inviolavel o throno do senhor D. João VI, e da augusta casa e...
Página 173 - Lisboa, réo preso que presente está, por que se mostra que sendo christão baptisado, obrigado a ter e crer tudo o que tem, crê e ensina a santa madre...
Página 180 - ... á justiça secular, a quem pedem com muita instancia se haja com elle reo benigna e piedosamente, e não proceda a pena de morte, nem a effusão de sangue. Luiz Barata de Lima = Joaquim Jansen Moller = Jeronymo Rogado do Carvalhal e Silva = Luiz Pedro de Brito Caldeira.
Página 382 - ... e proxima quasi a perder até a sua representação nacional. Uma administração inconsiderada, cheia de erros e de vicios, havia acarretado sobre nós toda a casta de males, violando nossos foros e direitos; quebrando nossas franquezas e liberdades, e profanando até esses louvaveis costumes, que nos caracterisaram sempre desde o estabelecimento da monarchia, e que eram porventura o mais seguro penhor de nossas virtudes sociaes.
Página 643 - Cortes que o edificio da nova Constituição a que iam proceder, assentaria sobre a immudavel base da Monarchia hereditaria, que era na dynastia da Casa de Bragança, e reiterando os juramentos de fidelidade que no acto da minha acclamação ao throno dos meus augustos maiores me haviam sido unanimemente prestados por toda a Nação; os povos sanccionaram o principio fundamental de toda a Monarchia constitucional, que o...
Página 643 - ... a camara dos deputados, se reputaria o governo degenerado em despotismo, bem como passaria ao estado não menos monstruoso de ochlocracia, se a camara dos deputados intentasse exercitar ella só o poder legislativo.
Página 512 - ... seculos, os portuguezes se elevaram ao cume da gloria e da grandeza, e se fizeram acredores do distincto logar que, a despeito da inveja e da parcialidade, hão de sempre occupar na historia dos povos europeus. O que hoje, pois, querem e desejam, não é ,uma...
Página 511 - ... de promover, a felicidade dos povos que lhe estão sujeitos. De qualquer modo que este poder tenha sido exercitado em uma nação, ou por um ou por muitos, ou concentrado ou repartido, ou limitado por leis expressas, ou confiado sem alguns limites, nem a força das armas, nem os habitos inveterados...

Informação bibliográfica