Parnaso Lusitano: ou, Poesias selectas dos auctores portuguezes antigos e modernos, illustradas com notas. Precedido de uma historia abreviada da lingua e poesia portugueza, Volume 1,Parte 1

Capa
José da Fonseca
J. P. Aillaud, 1826
0 Críticas
As críticas não são validadas, mas a Google verifica a existência de conteúdo falso e remove-o quando é identificado
 

Opinião das pessoas - Escrever uma crítica

Não foram encontradas quaisquer críticas nos locais habituais.

Páginas seleccionadas

Outras edições - Ver tudo

Passagens conhecidas

Página 27 - A que novos desastres determinas De levar estes reinos e esta gente?
Página 32 - Sabe que quantas naus esta viagem Que tu fazes, fizerem, de atrevidas, Inimiga terão esta paragem, Com ventos e tormentas desmedidas! E da primeira armada que passagem Fizer por estas ondas insofridas, Eu farei de improviso tal castigo Que seja mor o dano que o perigo!
Página 18 - As lembranças, que na alma lhe moravam, Que sempre ante seus olhos te traziam, Quando dos teus formosos se apartavam...
Página 28 - Deixas criar ás portas o inimigo, Por ires buscar outro de tão longe, Por quem se despovoe o reino antigo, Se enfraqueça, e se vá deitando a longe...
Página 20 - Se já nas brutas feras, cuja mente Natura fez cruel de nascimento; E nas aves agrestes, que somente Nas rapinas aerias tem o intento; Com pequenas crianças vio a gente Terem tão piedoso sentimento, Como co'a mãi de Nino já mostraram...
Página 56 - Cortando vão as náos a larga via Do mar ingente para a patria amada, Desejando prover-se de agua fria Para a grande viagem prolongada...
Página 31 - C'um tom de voz nos fala, horrendo e grosso, Que pareceu sair do mar profundo. Arrepiam-se as carnes eo cabelo, A mim ea todos, só de ouvi-lo e vê-lo...
Página 36 - Ó ninfa, a mais formosa do oceano, Já que minha presença não te agrada Que te custava ter-me neste engano, Ou fosse monte, nuvem, sonho ou nada? Daqui me parto, irado e quase insano Da mágoa e da desonra ali passada, A buscar outro mundo, onde não visse Quem de meu pranto e de meu mal se risse.
Página lxvii - ... elle maravilhosamente tractada; e desde Milton e Klopstock ninguem chegou tanto acima n'este genero. A cantata de Pygmalião, a ode O homem selvagem são excellentes tambem. Aqui me cai a penna das mãos: o estadio livre para a critica imparcial acabou. Nem posso continuar a...
Página liv - ... jugo da imitação, e seguisse livre e rasgadamente um trilho novo. Bocage a quem seu fado, por mais aventureira lhe fazer a vida, levou ao antigo theatro das glórias portuguezas, voltando...

Informação bibliográfica