Politica republicana

Capa
Leuzinger, 1882 - 573 páginas
 

Páginas seleccionadas

Outras edições - Ver tudo

Passagens conhecidas

Página 313 - O Poder Moderador é a chave de toda a organização Política, e é delegado privativamente ao Imperador, como Chefe Supremo da Nação, e seu Primeiro Representante, para que incessantemente vele sobre a manutenção da Independência, equilíbrio, e harmonia dos. mais Poderes Políticos.
Página 501 - Em um regime de compressão e violência, conspirar seria o nosso direito. Mas no regime das ficções e da corrupção em que vivemos, discutir é o nosso dever. As armas da discussão, os instrumentos pacíficos da liberdade, a revolução moral, os amplos meios do direito postos ao serviço de uma convicção sincera...
Página 279 - Usando do direito que a Constituição me concede, declaro que hei mui voluntariamente abdicado na pessoa de meu muito amado e prezado filho o Sr. D. Pedro de Alcântara. "Boa Vista, sete de abril de mil oitocentos e trinta e um, décimo da Independência e do Império.
Página 559 - Ninguém será sentenciado, senão pela autoridade competente, em virtude de lei anterior e na forma por ela regulada.
Página 538 - Todos podem communicar os seus pensamentos, por palavras, escriptos, e publical-os pela Imprensa, sem dependencia de censura; com tanto que...
Página 315 - A Divisão, e harmonia dos Poderes Políticos é o principio conservador dos Direitos dos Cidadãos, eo mais seguro meio de fazer effectivas as garantias, que a Constituição offerece.
Página 515 - Assembléia nacional, sufocando as aspirações democráticas, cerceou o princípio, desnaturou-o ea carta outorgada, em 1824, mantendo o statu quo da divisão territorial, ampliou a esfera da centralização pela dependência em que colocou as províncias e seus administradores do poder intruso e absorvente, chave do sistema, que abafou todos os respiradouros da liberdade, enfeudando as províncias à Corte, à sede do único poder soberano que sobreviveu à ruína da democracia".
Página 520 - A prática do direito e não o direito em si é o objeto do mandato. Desta verdade resulta que quando o povo cede uma parte de sua soberania, não constitui um senhor, mas um servidor, isto é, um funcionário.
Página 516 - ... satélites obrigados do grande astro da corte - centro absorvente e compressor que tudo corrompe e tudo concentra em si na ordem moral e política como na ordem económica e administrativa. O...
Página 520 - Ora, a consequência é que o funcionário tem de ser revogável, móvel, eletivo, criando a fórmula complementar dos Estados modernos — a mobilidade nas pessoas ea perpetuidade nas funções — contra a qual .se levantam nos sistemas como o que nos rege, os princípios da hereditariedade, da inviolabilidade, da irresponsabilidade. Associar, uma à outra, duas opiniões ciosas de suas prerrogativas, com interesses manifestamente contrários, é, na frase de...

Informação bibliográfica