O Bom Crioulo

Capa
INDEX ebooks, 26/01/2015 - 162 páginas
Amaro, um imponente e lúbrico marinheiro negro, escravo fugido de uma fazenda do interior do Rio de Janeiro, apaixona-se por Aleixo, um jovem e ingénuo grumete branco, que conhece no seu navio de guerra. Mas o destino separa-os e, quando Amaro finalmente reencontra Aleixo, as suas piores suspeitas confirmam-se. O Bom Crioulo foi recebido em 1895, data da sua publicação, com escândalo pela crítica literária e silêncio pelo público, devido à frontalidade e ao erotismo, pouco usuais para a época, da sua abordagem a temas tabu, como o sexo inter-racial e a homossexualidade em ambiente militar. O romance foi esquecido na primeira metade do século XX mas voltaria a ser publicado na segunda metade do mesmo século, tendo posteriormente sido traduzido para o inglês, espanhol, alemão, francês e italiano. Atualmente, faz parte do programa de leituras do exame vestibular de muitas universidades brasileiras. Nesta edição, fez-se uma revisão da ortografia utilizada na versão gentilmente cedida pelo Ministério da Educação do Brasil, à qual se acrescentaram anotações para enquadramento dos leitores contemporâneos.
 

Páginas seleccionadas

Índice

Secção 26_
Secção 27_
Secção 28_
Secção 29_
Secção 30_
Secção 31_
Secção 32_
Secção 33_

Secção 9_
Secção 10_
Secção 11_
Secção 12_
Secção 13_
Secção 14_
Secção 15_
Secção 16_
Secção 17_
Secção 18_
Secção 19_
Secção 20_
Secção 21_
Secção 22_
Secção 23_
Secção 24_
Secção 25_
Secção 34_
Secção 35_
Secção 36_
Secção 37_
Secção 38_
Secção 39_
Secção 40_
Secção 41_
Secção 42_
Secção 43_
Secção 44_
Secção 45_
Secção 46_
Secção 47_
Secção 48_
Direitos de autor

Outras edições - Ver tudo

Acerca do autor (2015)

Adolfo Caminha (1867—1897) foi um escritor brasileiro, um dos principais autores do Naturalismo no Brasil.

A sua primeira obra publicada foi "Voos Incertos" (1886), um livro de poesia. Em 1893, Adolfo publica "A Normalista", romance em que traça um quadro pessimista da vida urbana. Usa as suas experiências e observações de uma viagem que fez aos Estados Unidos, em 1886, para escrever "No País dos Ianques" (1894). No ano seguinte, firma sua reputação literária ao publicar "O Bom Crioulo", mas provoca escândalo, pois o romance aborda a questão da homossexualidade, o que massacrou a recepção crítica da obra. Colabora também com a imprensa carioca, em jornais como "Gazeta de Notícias" e "Jornal do Comércio", e funda o semanário, "Nova Revista". Já tuberculoso, lança o último romance, "Tentação", em 1896. Morre prematuramente no Rio de Janeiro, no dia 1 de janeiro de 1897, aos 29 anos.

Informação bibliográfica