Imagens das páginas
PDF
ePub

CAPITOLO LXIII.

De como Francisco dalbuquerque f. Afonso dalbuquer

que se partirão pera Portugal, & deixarão por capitão mór a Duarte pacheco em Cochin. Estando as cousas nestes termos foy dado hů recado a Francisco dalbuquerở de Cojebequim, mouro de Calicut q era grande amigo dos nossos como ja disse, q el rey de Calicut estaua determinado de tornar sobre Cochỉ despois de sua partida pera portugal : & tomalo & fortificalo de maneyra q defédesse o porto a armada ģ viesse. E pera isso tinha aquirido todos os senhores do Malabar : & que se afirmava que ho avião dajudar el rey de Cananor & el rey de Coulão, & os mercadores mouros lhes dauão grandes ajudas. E ho mesmo escreueo Rodrigo reynel dabi a poucos dias, & que el rey de Calicut ajūtaua gente & mandaua fazer muyla artelharia: & que os mouros de Cochim erão em sua ajuda , por isso que se não fiasse deles. E dali a dous dias foy el rey de Cochim ver Francisco dalbuquerque & contoulhe ho mesmo que ho sabia de hüs bramenès q vinhão de Calicut, dizėdolhe que oulhassem em que perigo ficaua de perder Cochi se não ficasse armada

que

ho defendesse, pondolhe diante quantos dãnos tinha recebidos por soster nossa amizade : & como por essa causa se levantarão os seus cõlrele & ainda The querião tornar a fazer a mesma guerra : & porem que ele confiaua tāto na ajuda dos nossos , q não queria outra pera se defender de seus immigos : por isso que lha não negassem. Ao ğ Francisco dálbuquerque respondeo, q se ele soubesse quãto tinha ganhado nos dãnos q recebera por soster os nossos, q receberia outros muyto móres : se mayores podem ser. Porque deixado a fama que ganha. ra de verdadeyro & magnanimo: tinha cobrado por amigo a el Rey de Portugal que era senhor de taes vas

salos como vira, que tambè serião seus pera ho seruir quando coprisse: & q com pouco trabalho ho farião señor doutras cidades mayores q as de Cochi: & cresse q assi como ho eles restituirà em seu estado, ĝ assi ho cóseruarião nele: & que ele cria tão pouco è el rey de Calieut, ĝ posto que as pazes esteuerão mais firmes do q estauão não se fora da India sem deixar nela hüa armada, porở bê sabia quă pouco se el rey de Calicut parecia coele è ser verdadeyro : & se dissimulaua isto, era pera ver se podia acabar de carregar em paz: porque por guerra não acabaria nunca : & acabauaselhe a moução de sua viagem. Coesla reposta ficou el rey satisfey. to, & não podendo Francisco dalbuquerque auer mais pimenta que a ĝ tinha que era bem pouca , determinou de se partir pera Portugal, & primeyro declarar quem auia de ficar por capitão mór na India pera que ho soubesse el rey de Cochi. E como ele sabia q a ficada era muylo perigosa por a muyto pouca gěle que podia deixar não ousaua de cometer a nhů dos.capitães que ficasse: & por derradeyro de a offrecer a todos , & eles a não quererë a deu a Duarte pacheco que a aceitou de boa vontade mais pera seruir a Deos & a el Rey: que por lhe ser proueitosa : que bem sabia quão pouca fazenda auia de ganhar em ficar na India da maneyra que sabia ĝ auia de ficar : & sabêdo el rey de Cochim como ficaua, ouuesse por contente disso polo que dele sabia. E despois disto se partio Fråcisco dalbuquerque levando toda a armada com dizer a el rey de Cochim que a leuaua ate Cananor por amor da armiada de Calicut q ho não salteasse : & por lhe nã fazer algủa roidade no seu porto õde se auia de deter: como deteue pera pedir Rodrigo reynel, & os outros q hi estauảo. E sabido por el rey sua determinação, the mandou dizer que ho não levasse: porą ele não auja as pazes por quebradas. E se quisesse esperar, lhe acabaria de dar a pimenta que avia de dar. E vendo ele isto pareceolhe q não era verdade o que dizião do abalo del rey de Calicut: ou

deu a entender que lho parecia assi, porque ficassem de melhor vontade os que auião de ficar na India. E nå quis leuar Rodrigo reynel, nem os outros: nem quis esperar pera lomar toda a pinienta, porque era ja tarde. E vindo ali ter coele Afonso dalbuquerque de Coulão se partirão pera Cananor, onde lhes Rodrigo reynel escreueo que a noua da ida del rey de Calicut sobre Cochim era muyto certa , & que todos os cõprimentos que tizera forão

por

medo de lhe não queimar as naos que estauão no porto. O ğ os capitães móres encobrirão, porque ho não soubesse Duarte pacheco, a quem deixarão na sua nao, & mais duas carauelas, de q erão capitães Pero rafael, & Diogo pirez: & hữ batel de hũa nao, & deixarålhe nouenta homès: porque tirando os de que tinha necessidade pera marearem as naos, os mais estauão muyto doentes. E assi The deixarão a mais artelharia , & munições que poderão. E sabendo todos ho grande poder del rey de Calicut, espantauãse de querer Duarie pacheco ficar, com armada tão pequena : & dauảno ja por morto, dizêdo. Perdoe Deos a Duarte pacheco, & aos que ficão coele. E ainda que ho ele ouuia não deixou de ficar, mostrando que ficaua muyto contente nem nunca pedio mais gente que a que lhe deixauão. E despachado parliråse os capitães móres pera Portugal ho derradeyro de laneyro de mil & quinhentos & quatro, partindo primeyro A funso dalbuquerque, & Francisco dalbuquerque, & Niculao coelho se perderão no caminho, porque nunca mais ouue noua deles. E Pero dataide foy ter a Quiloa : & na barra se lhe perdeo a nao: & ele se saluou com algủa gente com que se foy a Moçambique em hum zambuco : & hi morreo de doểça. E primeyro ĝ morresse escreueo bữa carta pera qualquer capitão de Portugal que hi aportasse, em que contaua sua perdição, & como ficaua a India. E Afonso dalbuquerque, & Antonio do campo chegarão a Lisboa a vinte tres Dagosto do anno que digo. É A fonso dalbuquerque contou a el rey como ficaua a India & deulhe qua

trocētos arratës daljosar & corenta de perolas & oyto com conchas onde ho aljofar nace, a que chamamos madre perola, & hů diamão tauoleta tamanho como hìa grande faua,

&

muytas joyas de pedraria , & dous caualos hù arabio & outro persiano.

CA P I T O LO LXIIII.

Do que aconteceo a Antonio de saldanha f. aos seus ca

pitães ate chegarem á India. Airas

tras fica dito como Antonio de saldanha partio de Lisboa por capitão mór de Ruy Lourenço rauasco, & de Diogo fernandez pelejra pera andar darmada no cabo de Goardafum & descobrir despois ho estreito do mar roxo. Pois partido ele de Lisboa por culpa do seu piloto foy ter á ilha de sam 'Thome & daqui aquem do cabo de boa Esperança , affirmandose ho piloto q ho tinha dobrado , & achouse atras dele onde agora se chama a agoada de saldanha, que por Antonio de saldanha ir ali ter primeyro & fazer agoada em hû rio que se ali mete no mar The ficou este nome: & daqui se partio Antonio de saldanha só porğ os outros dous capitães ja åles de chegar aqui se apartarão dele cô tempo, & no caminho passado Moçambiğ tomou tres naos de mouros que se lhe renderão sem peleja, & coelas chegou a Melinde onde achou Ruy Lourenço rauasco, que apartado dele cô ho temporal que lhe deu foy ter a Moçambique, dõde não achando Antonio de saldanha se foy a Quiloa, & despois de lo esperar algüs dias & não vindo se partio, & saindo do porto tomou dous zâbucos de mouros de Môbaça que mandou dar a el rey de Quiloa por lhe fazer honrra , &

por
apdar

por
ali

esperando Antonio de saldanha se foy a hứa ilha que se chama Zanzibar vinte legoas a ré de Mombaça, que tem rey & he pouoada de mouros,

& antrela & a terra firme se faz hů canal, õde se Ruy Lourenço deixou estar bem dous meses em

que tomou muytos zambucos carregados de mantimêtos da terra, & despois se foy ao porto da cidade de Zanzibar õde chegou ao sol posto, & por isso não pode fazer mal a algủas naos & muytos zābucos s hi estauão : & ao outro dia lhe mandou el rey hů récado, que se ele era o que tomara os mantimētos que leuauão pera sua cidade q lhe perdoaua com tanto que lhe desse a arteTharia q leuaua & restituisse o que tinha tomado. Ao que Ruy Lourenço respondeo, que se tomara os mantimentos fora por Thos não quererem vender : & que não costumaua de dar a sua artelharia ně lha auia de dar: & que se quisesse ser amigo del Rey de Portugal q ho seria seu. Quuida esta reposta por el rey, mandou embarcar muyta gěle em paraós que tinha

pera

tomarě a nao: o que vendo Ruy Lourenço antes que os mouros acabassem debarcar mandou lá hů Gomez carrasco por capitão do batel com trinta & cinco homès que com hữ tiro q leuaua começou de sacodir os paraós antes que saissem do porto, com cujo medo os mouros os começarão de despejar. E nisto chegou Gomez carrasco a quatro que

ainda estauão pejados, & aferrando coeles matou com os seus muytos mouros & os outros fez saltar ao mar, & tomado os paraós se tornou á nao & em se tornado chegou á praya bű filho del rey com quatro mil mouros os mais frecheiros que ya acodir aos paraós, & deixaråse estar cono ĝ goardauão ho porto. E Ruy Lourenço que os vio daquela maneyra, mandou depressa passar da nao algüs tiros a dous zambucos que tinha em que mandou por capitães Gomez carrasco & Lourenço feo que leuando tambể bo batel se chegarão a terra ho mais que poderão. E ho filho del rey vendo os ir , cuydâdo que querião desembarcar ajuntou sua gente onde leuauão as proas & eles fizerão desparar sua artelharia & da primeyra çurriada derribarảo trinta & cinco mouros segůdo se despois soube , & antreles foy ho filho del rey & ouue muytos feridos, & os outros fugirão & forão dar as nouas a el rey, que por não ser destruido mådou pe

« AnteriorContinuar »