Obras completas do cardeal Saraiva: (d. Francisco de S. Luiz) patriarcha de Lisboa, precedidas de uma introducc̜ão pelo marquez de Rezende, Volume 10

Capa
Imprensa Nacional, 1883
0 Críticas
As críticas não são validadas, mas a Google verifica a existência de conteúdo falso e remove-o quando é identificado
 

Opinião das pessoas - Escrever uma crítica

Não foram encontradas quaisquer críticas nos locais habituais.

Páginas seleccionadas

Outras edições - Ver tudo

Passagens conhecidas

Página 200 - Deo sinal a trombeta Castelhana Horrendo, fero, ingente e temeroso: Ouvio-o o monte Artabro; e Guadiana Atraz tornou as ondas de medroso: Ouvio-o o Douro ea terra Transtagana; Correo ao mar o Tejo duvidoso; E as mãis, que o som terribil escuitaram, Aos peitos os filhinhos apertaram.
Página 182 - Aqui espero tomar, se não me engano, De quem me descobriu suma vingança, E não se acabará só nisto o dano De vossa pertinace confiança: Antes, em vossas naus vereis, cada ano, Se é verdade o que meu juízo alcança, Naufrágios, perdições de toda sorte, Que o menor mal de todos seja a morte!
Página 181 - Sabe que quantas naos esta viagem Que tu fazes, fizerem de atrevidas, Inimiga terão esta paragem, Com ventos, e tormentas desmedidas : E da primeira armada, que passagem Fizer por estas ondas insoffridas, Eu farei d'improviso tal castigo, Que seja mór o damno, que o perigo.
Página 199 - Quem és tu? que esse estupendo Corpo, certo, me tem maravilhado!» A boca e os olhos negros retorcendo E dando um espantoso e grande brado, Me respondeu com voz pesada e amara, Como quem da pergunta lhe...
Página 196 - Tão temerosa vinha e carregada, Que pôs nos corações um grande medo; Bramindo, o negro mar de longe brada, Como se desse em vão nalgum rochedo. "Ó Potestade (disse) sublimada: Que ameaço divino ou que segredo Este clima e este mar nos apresenta, Que mor cousa parece que tormenta?
Página 6 - Exsequi sententias haud institui nisi insignes per honestum aut notabili dedecore ; quod praecipuum munus annalium reor , ne virtutes sileantur , utque pravis dictis factisque ex posteritate et infamia metus sit.
Página 135 - Cessem do sábio Grego e do Troiano As navegações grandes que fizeram; Cale-se de Alexandre e de Trajano A fama das vitórias que tiveram; Que eu canto o peito ilustre Lusitano, A quem Neptuno e Marte obedeceram. Cesse tudo o que a Musa antiga canta, Que outro valor mais alto se alevanta.
Página 198 - Ó Potestade (disse) sublimada: Que ameaço divino ou que segredo Este clima e este mar nos apresenta, Que mor cousa parece que tormenta?" Não acabava, quando uma figura Se nos mostra no ar, robusta e válida, De disforme e grandíssima estatura; O rosto carregado, a barba esquálida, Os olhos encovados, ea postura Medonha e má ea cor terrena e pálida; Cheios de terra e crespos os cabelos, A boca negra, os dentes amarelos.
Página 100 - Occidentem contingeres, et hoc assecutus, scire velles ubi tanti numinis fulgor 13 conderetur. Sic quoque concupiscis quae non capis. Ab Europa petis Asiam, ex Asia transis in Europam ; deinde, si humanum genus omne superaveris, cum silvis et nivibus et fluminibus ferisque bestiis gesturus 14 es bellum.
Página 132 - Cicero's telling of the story: "Hicjovis altisoni subito pinnata satelles, Arboris e trunco serpentis saucia morsu, Ipsa feris subigit transfigens unguibus anguem Semianimum, et varia graviter cervice micantem. Quem se intorquentem lanians, rostroque cruentans, Jam satiata animum, jam duros ulta dolores, Abjicit efflantem, et laceratum affligit in unda; Seque obitu a solis nitidos convertit ad ortus.

Informação bibliográfica