História da literatura portuguêsa desde as origens até a atualidade

Capa
Lumen empresa internacional editora, 1921 - 702 páginas
0 Críticas
As críticas não são validadas, mas a Google verifica a existência de conteúdo falso e remove-o quando é identificado
 

Opinião das pessoas - Escrever uma crítica

Não foram encontradas quaisquer críticas nos locais habituais.

Páginas seleccionadas

Passagens conhecidas

Página 483 - Parte de antigo bosque, escuro e negro, Onde ao pé de uma lapa cavernosa Cobre uma rouca fonte, que murmura, Curva latada de jasmins e rosas.
Página 203 - Só por tornar a ver-vos, Só por ir a servir-vos e querer-vos. Diz-me o Tempo que a tudo dará talho; Mas o Desejo ardente, que detença Nunca sofreu, sem tento Me abre as chagas de novo ao sofrimento. Assi vivo; e se alguém te perguntasse, Canção, como não mouro, Podes-lhe responder que porque mouro.* (Ibidem, vol.
Página 484 - Açoita o campo coa ligeira cauda O irado monstro, e em tortuosos giros Se enrosca no cipreste, e verte envolto Em negro sangue o lívido veneno.
Página 618 - Quiz mostrar-me que, o bem, bem pouco dura. Não sei se me voou, se m'a levaram, Nem saiba eu nunca a minha desventura Contar aos que inda em vida não choraram.
Página 483 - Despojo inútil do inconstante vento: Morre em paz; que em havendo algum dinheiro, Hei de mandar, em honra de teu nome, Abrir em negra pedra este letreiro: "Aqui piedoso entulho os ossos come Do mais fiel, mais rápido sendeiro, Que fora eterno a não morrer de fome".
Página 201 - Junto de hum secco, duro, estéril monte, Inútil, e despido, calvo, e informe, Da natureza em tudo aborrecido, Onde nem ave voa, ou fera dorme, . Nem corre claro rio, ou ferve fonte...
Página 484 - Melancólica sombra. Mais de perto Descobrem que se enrola no seu corpo Verde serpente, e lhe passeia, e cinge Pescoço, e braços, e lhe lambe o seio. Fogem de a ver assim...
Página 203 - Estais, que, cá tão longe, de alegria Me sustentais com doce fingimento! Em vos afigurando o pensamento, Foge todo o trabalho e toda a pena. Só com vossas lembranças, Me acho seguro e forte Contra o rosto feroz da fera Morte, E logo se me juntam esperanças Com que a fronte, tornada mais serena, Torna os tormentos graves Em saudades brandas e suaves.
Página 195 - Vai formosa, e não segura. Descobre a touca a garganta, Cabelos de ouro entrançado, Fita de cor de encarnado. Tão linda que o mundo espanta; Chove nela graça tanta Que dá graça à formosura. Vai formosa, e não segura.
Página 193 - BUSQUE AMOR NOVAS ARTES..: Busque Amor novas artes, novo engenho, Para matar-me, e novas esquivanças ; Que não pode tirar-me as esperanças, Pois mal me tirará o que eu não tenho. Olhai de que esperanças me mantenho ! Vede que perigosas seguranças ! Pois não temo contrastes nem mudanças. Andando em bravo mar, perdido o lenho. Mas, conquanto não pode...

Informação bibliográfica