Corografia portugueza, e descripçam topografica do famoso reyno de Portugal

Capa
 

Opinião das pessoas - Escrever uma crítica

Procura do Utilizador - Denunciar como inapropriado

Aqui fica a transcrição de parte da página 228 para confrontar com a transcrição automática (que tem muitos erros):
Da Comarca de Ourém.
C A P I T U L O I.
Da descripçaõ desta Villa.
Doze legoas ao Sudueste de Coimbra, quatro de Leyria para o Sul, & tres de Thomar para o Poente, em hũ altistimo monte com difficultosa subida por todas as partes está fundada a nobre Villa de Ourèm, cercada de muros com duas portas, e forte Castello, obra del-Rey D. Affonso Henriques, que a mandou povoar pelos annos de 1148 e depois de restaurada aos Mouros a deo a D.Tareja fua filha, a qual lhe deo foral com grandes privilegios no de 1180 e foy a primeyra terra, que fe dotou às Infantas de Portugal. El-Rey D. Pedro o Segundo lhe deo tambem foral em Lisboa a seis de Julho de 1695. Goza de voto em Cortes com assento no banco quatorze. Tem familias nobres do appellido Castelinos com o foro de Fidalgos , e sam senhores da quinta, e Morgado dos Namorados; Sousas Alvins com o foro de Fidalgos, com o Morgado de Ceyça; Sousas e Mellos com seu Morgado na Melroeyra; Mellos e Barros, Motas, Ferrazes, Pereyras. O seu clima he muyto ameno, e salutifero por causa de quatro ribeyras, cujas margens estaõ povoadas de muytas hortas, e pomares de gostosas frutas. Tinha antigamente quatro Parochias, a saber, Santa Maria, S.Pedro, S.Joao, e Santiago; depois vindo do Concilio Basiliense, aonde fora por Embayxador, o senhor D. Affonso Conde de Ourèm, Marquez de Valencya, filho primogenito do senhor D. Affonso, primeyro Duque de Bragança, da extinçao das quatro Igrejas erigio a insigne Collegiada, cujo Orago he N. Senhora da Misericordia, no anno de 1445 em o Pontificado do Papa Eugenio IV reynando D. Affonso o Quinto no tempo do fegundo Arcebispo de Lisboa, que foy D. Pedro de Noronha, de cujo Arcebispado era entaõ Ourém, e o foy até que se unio, e aggregou ao Bispado de Leyria.
Antonio Carvalho da Costa, Corografia portugueza, e descripçam topografica do famoso reyno de Portugal [...], Lisboa, Na Officina Real Deslandesiana, 1712, Tomo III, Tratado V, Da comarca de Ourém, Capitulo I, p. 228
 

Outras edições - Ver tudo

Palavras e frases frequentes

Passagens conhecidas

Página 345 - Terra folta, toda de pedra embutida de varias cores ; he imagem feyta ao pincel , & obra Deos por ella muytos milagres...
Página 525 - Joíeph , toda de mar* mores , &c finilíímos jalpes de Itália , tem duas portas , & grades de evano, tudo guarnecido de bronze lavrado, & no meyo do arco...
Página 525 - Cidadc,5cem tal fórmadilpoib , í naõ íe dcícobre dos que paííaõ peia rua , pela grande altura dos mu. ros, que o cercão todo em redondo ; & nem a porta da Igreja , que fica ao Meyo dia, ie pôde divifar da rua, íenaõ depois de íubifern ao adro, para o qual íe entra por húa porta de gtades de ferro , de bal".
Página 403 - Capellaõ quarenta e dous, pêra sobrepeliz quatro, seis pcllas confissões dos doentes, quatro pêra hum moço, tem mais por custume hum alqueire de grãos pella quaresma, hum quarto de carneiro por todos os Sanctos, e Páscoa, e por Natal entra na repartição de hum porco, tem mais hum moyo de trigo, e quatro mil e quinhentos reis para a barba.
Página vi - AHE à publica luz do mundo o Terceyro Tomo da Corografia Portugueza, confiado , em que naõ ha de delmerecer aos eruditos o favor q fizeraõ ao prímeyro, Sc fegundo; porque alem de fer com...

Informação bibliográfica