Imagens das páginas
PDF
ePub
[graphic]
[ocr errors]
[graphic][merged small]

CAPITULO I

I. Origem dos estudos historicos.-II e III. Os estudos historicos em Portugal. IV, V, VI e VII. O archivo nacional da Torre do Tombo.-VIII. Os Velhos.-IX. Os Cabraes.-X. Os Travaços. - XI. É inutil paraphrasear os documentos.

I

ESDE a mais alta antiguidade que os estudos historicos se esboçaram, porque a tendencia para investigar o passado e fixar o presente é um dos caracteristicos das sociedades quando attingem um grau elevado na civilisação.

O espirito humano, ligado, por tendencia innata, á tradição, nunca póde emancipar-se, completamente, do jugo que, muitas vezes, o raciocinio combate, e se, n'alguns casos, parece libertar-se d'essa força, cáe n'um

[graphic]

objectivismo artificial, de nenhuma fórma positivo, porque nada ha de mais logico e verdadeiro que a existencia do passado e a sua acção no presente. Manda a critica desassombrada que se procure a verdade dos factos, que se estabeleçam os planos verdadeiros e que se lhes dé a perspectiva; manda a boa philosophia que d'elles se tire lição.

Se a philosophia da historia foi iniciada na Grecia com Socrates, nas obras de seu discipulo Platão, e por Aristoteles, aos quaes se seguiram Polybio e Xenophonte, verdadeiros antecessores de Santo Agostinho e Salviani, mais tarde, de Machiaveli, Campaneli, Bodin, e depois, de Montesquieu, Turgot, Voltaire, Condorcet, Guizot, Comte, Michelet, etc., na França, e de Leibnitz, Iselin, Wegelin, Schlözer, Muller, e depois, de Herder, Kant, Schiller, Schelling, Schlégel, Hégel, etc., na Allemanha, e dos pensadores da Inglaterra e da Italia, vejamos onde foi que os estudos historico tiveram principio.

Não discutiremos, aqui, a antiguidade do Egypto e da Babylonia, porque tal questão ainda está por decidir; só referiremos as duas rasões principaes, que Hommel, professor particular na Universidade de Munich, apresenta, para demonstrar a maior antiguidade da Babylonia':

1. As mais antigas citações da Biblia referem-se á Babylonia, depois á Assyria e finalmente ao Egypto.

2.a As pyramides egypcias, primitivamente, foram escalonadas, como as babylonicas; prova isto a pyramide de Sakkara, mais antiga que as de Gizeh e que parece ter sido construida durante a primeira dynastia. Esta pyramide é escalonada e tem cinco degraus.

Está hoje provado, em vista das escavações feitas em Tello por M. de Sarzec, e por muitos outros do

1 Historia da Babylonia e da Assyria.

cumentos, que a Assyria foi, primitivamente, uma colonia babylonica, fundada pouco antes do segundo millenario antes de Christo, com a mesma lingua e a mesma cultura da metropole. A Babylonia foi, segundo as mais antigas noticias, habitada pelos sumerios, accadios de origem ural-altaica, aparentados com os turco-tartaros, que, lançados nas planicies da Asia central, nomadas livres, degeneraram nos actuaes turcos, em tudo oppostos aos seus avós sumerios. Estes fundiram-se com os semitas a ponto de ser difficil differençal-os nas representações graphicas babylonicas, emquanto que nas assyricas o typo semita é puro. Reparando n'esta particularidade conclue Hommel que A colonisação da Assyria, com elementos babylonicos, ter-se-ía effectuado, portanto, n'uma epocha em que os emigrantes semitas não se tinham misturado, ainda, em grande quantidade, com a população sumerica, rasão a mais, por outra parte, em favor da não anterioridade da Assyria alêm de 1800 annos, antes de Christo»', emquanto que a Babylonia já era notavel 4000 annos antes de Christo. Por esta epocha iniciaram, os sumerios, segundo todas as probabilidades, a escripta cuneiforme, já precedida da escripta pictographica, e manifestaram-se nos estudos cosmogonicos, dignos do maior apreço; da mesma fórma se notabilisaram nas artes, como prova o cylindro de Sargão, do anno de 3800, antes de Christo; fundidos com os semitas, talvez, absorvidos por elles, creou-se o imperio babylonico e estenderam-se até á Phenicia, onde foram ensinar o que nas margens do Tigre e do Euphrates tinham aprendido.

As invasões dos elamitas, por 2300, antes de Christo, foram de secundaria importancia, mercê dos diques que lhes oppoz, por 1900, antes de Christo, o norte de Baby

1 Historia da Babylonia e da Assyria, introducção.

« AnteriorContinuar »