Camões e Os Lusiadas: ensaio historico-critico-litterario

Capa
A. M. Pereira, 1872 - 315 páginas
 

Opinião das pessoas - Escrever uma crítica

Não foram encontradas quaisquer críticas nos locais habituais.

Páginas seleccionadas

Outras edições - Ver tudo

Passagens conhecidas

Página 159 - Oh quanto deve o Rei, que bem governa, De olhar que os conselheiros ou privados De consciencia e de virtude interna E de sincero amor sejam dotados...
Página 219 - Infelix Dido, verus mihi nuntius ergo venerat exstinctam, ferroque extrema secutam? funeris heu tibi causa fui ? Per sidera juro, per superos, et si qua fides tellure sub ima est, invitus, regina, tuo de litore cessi.
Página 226 - Aquellas duvidosas gentes disse, Com palavras mais duras que elegantes, A mão na espada, irado e não facundo, Ameaçando a terra. o mar eo mundo: XV Como?
Página 125 - Mostrando-se potentes e indignados Contra um corpo terreno, Bicho da terra vil e tão pequeno. Se de tantos trabalhos só tirasse Saber inda por certo que...
Página 224 - Assi como a bonina , que cortada Antes do tempo foi , candida e bella , Sendo das mãos lascivas maltratada Da menina , que a trouxe na capella , O cheiro traz perdido , ea cor murchada ; Tal está morta a pallida donzella, Seccas do rosto as rosas, e perdida A branca e viva cor, co'a doce vida.
Página 291 - Aqui tens companheiro, assi nos feitos, Como no galardão injusto e duro: Em ti, e nelle veremos altos peitos A baixo estado vir, humilde e escuro: Morrer nos hospitaes, em pobres leitos, Os que ao Rei e á lei servem de muro! Isto fazem os Reis, cuja vontade Manda mais, que a justiça e que a verdade.
Página 230 - ... terra , Outros as esperanças de ganha-la : Logo o grande Pereira , em quem se encerra Todo o valor, primeiro se assinala , Derriba , e encontra , ea terra em fim semea Dos que a tanto desejam , sendo alhea , XXXI.
Página 242 - Sabe que quantas nãos esta viagem, Que tu fazes, fizerem de atrevidas, Inimiga terão esta paragem, Com ventos e tormentas desmedidas: E da primeira armada, que passagem Fizer por estas ondas insoffridas, Eu farei d'improviso tal castigo, Que seja mor o dano, que o perigo.
Página 88 - Verdade, Amor, Razão, Merecimento, Qualquer alma farão segura e forte; Porém Fortuna, Caso, Tempo, e Sorte, Tee do confuso mundo o regimento.
Página 203 - Nesta pequena casa Lusitana: De Africa tem maritimos assentos; He na Asia mais que todas soberana; Na quarta parte nova os campos ara; E se mais mundo houvera, lá chegara.

Informação bibliográfica