Exame analytico e parallelo do poema Oriente do R. do José Agostinho de Macedo. Com a Lusiada de Camões

Capa
Typografia Lacerdina, 1815 - 355 páginas
 

Opinião das pessoas - Escrever uma crítica

Não foram encontradas quaisquer críticas nos locais habituais.

Páginas seleccionadas

Índice

Outras edições - Ver tudo

Passagens conhecidas

Página 98 - Mas ella os olhos, com que o ar serena, (Bem como paciente e mansa ovelha) Na misera...
Página 147 - Ó glória de mandar, ó vã cobiça Desta vaidade a quem chamamos Fama! Ó fraudulento gosto, que se atiça C'uma aura popular, que honra se chama! Que castigo tamanho e que justiça Fazes no peito vão que muito te ama! Que mortes, que perigos, que tormentas, Que crueldades neles experimentas!
Página 93 - Assi como a bonina , que cortada Antes do tempo foi , candida e bella , Sendo das mãos lascivas maltratada Da menina , que a trouxe na capella , O cheiro traz perdido , ea cor murchada ; Tal está morta a pallida donzella , • Seccas do rosto as rosas , e perdida A branca e viva cor, co
Página 346 - Qual Austro fero. ou Boreas na espessura De sylvestre arvoredo abastecida. Rompendo os ramos vão da mata escura Com impeto e braveza desmedida: Brama toda a montanha, o som murmura. Rompem-se as folhas, ferve a serra erguida: Tal andava o tumulto levantado. .Entre os deoses no Olympo consagrado.
Página 182 - Porém eu co'os pilotos na arenosa Praia, por vermos em que parte estou, Me detenho em tomar do Sol a altura, E compassar a universal pintura.
Página 170 - Nuno; que, como sabio capitão, Tudo corria, e via, ea todos dava, Com presença e palavras, coração: Qual parida leoa, fera e brava, Que os filhos, que no ninho sós estão...
Página 24 - Este receberá placido e brando, No seu regaço o Canto, que molhado Vem do naufragio triste e miserando, Dos procellosos baixos escapado; Das fomes, dos perigos grandes, quando Será o injusto mando executado Naquelle, cuja lyra sonorosa Será mais afamada, que ditosa.
Página 204 - Gigantêa, temeraria, Jactante, mentirosa e verdadeira, Que com cem olhos vê, e por onde voa, O que vê, com mil bocas apregoa.
Página 45 - A plúmbea péla mata, o brado espanta, Ferido, o ar retumba e assobia. O coração dos mouros * se quebranta, O temor grande o sangue lhe resfria. Já foge o escondido, de medroso, E morre o descoberto aventuroso.
Página 63 - Tão temerosa vinha e carregada, Que pôs nos corações um grande medo; Bramindo, o negro mar de longe brada, Como se desse em vão nalgum rochedo. "Ó Potestade (disse) sublimada: Que ameaço divino ou que segredo Este clima e este mar nos apresenta, Que mor cousa parece que tormenta?

Informação bibliográfica