Novelas do Minho - II, Volume 2

Capa
Ediçoes Vercial, 10/02/2017 - 254 páginas
0 Críticas

"Ordinariamente, chamam-se, à francesa, espirituosos uns sujeitos dotados de génio motejador, aplaudidos com a gargalhada e aborrecidos àqueles mesmos que os aplaudem. São os caricaturistas da graciosidade.
O «espirituoso», à moderna, abrange os variados ofícios que, antes da nacionalização daquele estrangeirismo, pertenciam parcialmente aos seguintes personagens, uns de casa, outros importados: chocarreiro – trejeitador – arlequim – palhaço – proxinela – polichinelo – maninelo – truão – jogral – goliardo – histrião – farsista – farsola – vegete – bobo – pierrot – momo – bufão – folião, etc.
Esta riqueza de sinonímia denota que o bobo medieval bracejou na Península Ibérica vergônteas e enxertias em tanta cópia que foi preciso dar nome às espécies."

 

Opinião das pessoas - Escrever uma crítica

Não foram encontradas quaisquer críticas nos locais habituais.

Páginas seleccionadas

Índice

GRACEJOS QUE MATAM
O COMENDADOR
PRIMEIRA PARTE
SEGUNDA PARTE
O CEGO DE LANDIM
I
II
III
A MORGADA DE ROMARIZ
I
II
III
IV
V
VI
VII

IV
V
VI
VII
VIII
IX
X
VIII
IX
X
O FILHO NATURAL
PRIMEIRA PARTE
SEGUNDA PARTE

Palavras e frases frequentes

Informação bibliográfica