Imagens das páginas
PDF
ePub

CXXIII.

Tirar Inez ao mundo determina,
Por lhe tirar o filho, que tem preso;
Crendo co'o sangue so da morte indina,
Matar do firme amor o fogo acceso.
Que furor consentiu que a espada fina,
(Que poude sustentar o grande peso
Do furor mauro) fosse alevantada
Contra uma fraca dama delicada?

CXXIV.

« Trazian-a os horríficos algozes
Ante o rei, ja movido a piedade;
Mas o povo com falsas e ferozes
Razões, á morte crua o persuade.
Ella com tristes e piedosas vozes,
Saídas so da mágoa, e saudade

Do seu principe, e filhos, que deixava,
Que mais, que a propria morte, a magoava:

CXXV.

Pera o ceo crystallino alevantando Com lagrymas os olhos piedosos;

Os olhos; porque as mãos lhe estava atando Um dos duros ministros rigorosos:

E despois nos meninos attentando,

Que tam queridos tinha, e tam mimosos, Cuja orfandade, como mãe, temia,

Pera o avô cruel assi dizia:

CXXVI.

<< Se ja nas brutas feras, cuja mente
Natura fez cruel de nascimento;
E nas aves agrestes, que somente
Nas rapinas aérias teem o intento ;
Com pequenas crianças viu a gente
Terem tam piedoso sentimento,
Como co' a mãe de Nino ja mostraram,
E co' os irmãos, que Roma edificaram:

CXXVII.

[ocr errors]

O' tu, que tens de humano o gesto, e o peito, (Se de humano é matar uma donzella

Fraca e sem força, so por ter sujeito

O coração, a quem soube vencella)
A estas criancinhas tem respeito;
Pois o não tens á morte escura d'ella:
Mova-te a piedade sua, e minha ;

Pois te não move a culpa, que não tinha.

CXXVIII.

« E se, vencendo a maura resistencia,
A morte sabes dar com fogo, e ferro;
Sabe tambem dar vida com clemencia
A quem, pera perdel-a, não fez erro.
Mas se t'o assi merece esta innocencia,
Põe-me em perpétuo e misero desterro,
Na Scythia fria, ou la na Libya ardente,
Onde em lagrymas viva eternamente.

CXXIX.

Põe-me, onde se use toda a feridade,
Entre leões, e tigres, e verei,
Se n' elles achar posso a piedade,
Que entre peitos humanos não achei:
Alli co' o amor intrínseco, e vontade
N'aquelle, por quem mouro, criarei
Estas reliquias suas, que aqui viste ;
Que refrigerio sejam da mãe triste. »

CXXX.

« Queria perdoar-lhe o rei benino, Movido das palavras, que o magoam; Mas o pertinaz povo, e seu destino, (Que d'esta sorte o quiz) lhe não perdoam. Arrancam das espadas de aço fino

Os que, por bom, tal feito alli pregoam : Contra uma dama, o' peitos carniceiros, Feros vos amostrais, e cavalleiros?

CXXXI.

«Qual contra a linda môça Polyxena,
Consolação extrema da mãe velha;
Porque a sombra de Achilles a condena
Co' o ferro o duro Pyrrho se apparelha :
Mas ella os olhos, com que o ar serena,
(Bem como paciente e mansa ovelha)
Na mísera mãe postos, que endoudece,
Ao duro sacrificio se offerece:

CXXXII.

«

<< Taes contra Inez os brutos matadores,

No collo de alabastro, que sustinha

As obras, com que Amor matou de amores
Aquelle, que despois a fez rainha,

As espadas banhando, e as brancas flores,
Que ella dos olhos seus regadas tinha,
Se encarniçavam férvidos e irosos,
No futuro castigo não cuidosos.

CXXXIII.

[ocr errors]

Bem poderas, o' sol, da vista d'estes

Teus raios apartar aquelle dia,

Como da séva mesa de Thyestes,

Quando os filhos per mão de Atreu comia!
Vós, o' concavos valles, que podestes

A voz extrema ouvir da bocca fria,
O nome do seu Pedro, que lhe ouvistes,
Per muito grande espaço repetistes!

CXXXIV.

« Assi como a bonina, que cortada
Antes do tempo foi, candida e bella,
Sendo das mãos lascivas maltractada
Da menina, que a trouxe na capella,
O cheiro traz perdido, e a côr murchada:
Tal está morta a pallida donzella,
Seccas do rosto as rosas, e perdida
A branca e viva côr, co'a doce vida.

CXXXV.

« As filhas do Mondego a morte escura,
Longo tempo chorando, memoraram ;
E, por memoria eterna, em fonte pura
As lagrymas choradas transformaram :
O nome lhe pozeram, que inda dura,
Dos amores de Inez, que alli passaram.
Vêde que fresca fonte rega as flores,
Que lagrymas são a agua, e o nome amores.

CXXXVI.

« Não correu muito tempo, que a vingança
Não visse Pedro das mortaes feridas;
Que, em tomando do reino a governança,
A tomou dos fugidos homicidas :
De outro Pedro cruíssimo os alcança;
Que ambos imigos das humanas vidas,
O concerto fizeram duro e injusto,
Que com Lépido, e Antonio fez Augusto.

CXXXVII.

« Este, castigador foi rigoroso

De latrocinios, mortes, e adulterios :
Fazer nos maus cruezas, fero e iroso
Eram os seus mais certos refrigerios.
As cidades guardando justiçoso
De todos os suberbos vituperios,
Mais ladrões, castigando, á morte deu,
Que o vagabundo Alcides, ou Theseu.

« AnteriorContinuar »