Tecnologia e novas mídias: da educação às práticas culturais e de consumo

Capa

Os processos societais – culturais, políticos, educacionais, religiosos, etc. – contemporâneos passaram a ter como enquadramento o contexto global, que desafia a escala de compreensão do enraizamento local, da familiaridade do que é próximo. A tecnologia sempre desafiou os modos de fazer, agir e compreender. Hoje a tecnologia informática em simbiose com as telecomunicações criaram uma nova camada, uma nova eco-techno-esfera que envolve todos os espaços, mesmo os que não têm acesso à rede Internet, na medida em que por esta são afetados porque lhes confere a condição de exclusão. A eco-techno-esfera criada pela Internet intensifica-se com o protagonismo de um dos seus serviços, a World Wide Web ou Web que progressivamente nele tem subsumido os demais serviços da Internet. Este protagonismo da Web exponencia-se com a passagem da Web 1.0 para a Web 2.0 com o protagonismo assumido pelos usuários que passam a ter um papel fundamental na dinâmica de uso e crescimento dos serviços e dos conteúdos e, agora, com a Web 3.0 em que a busca semântica se apresenta como resposta ao extravasamento de dados gerados pelos usuários que faz florescer a importância do designado big data. É neste contexto que o presente livro se propõe contribuir com textos que apresentam, equacionam e refletem sobre o impacto das tecnologias nas práticas culturais, educacionais  e de consumo. Embora a metáfora do impacto não seja a de maior rigor, dado que as tecnologias nascem e desenvolvem-se  no seio da própria sociedade, logo, não veem do exterior impactar, como um projétil; o certo é que a sua extrema influência na dinâmica das práticas societais nos conduz ao uso do conceito de impacto, no sentido de grande poder de modificar. Apesar da ideia de novidade que tendencialmente se associa à tecnologia, na realidade a sua própria evolução faz-se num processo dialético entre inovação e o que estava estabelecido, numa espiral que não rompe de forma abrupta, dramática, com o estado anterior. Daí que o conceito de remediation proposto por David Bolter e Richard Grusin surge como uma  boa ferramenta analítica. E isso é tanto mais adequado quanto o campo central de análise é a educação. O espaço formativo central continua a ser a escola e ela é um espaço de remediation  por excelência, onde se confrontam o velho e o novo, o estabelecido e a irreverência, as literacias clássicas e as novas literacias infocomunicacionais em ambientes digitais, o on e o off-line, o analógico e o digital, a lentidão e a velocidade, o cânone e a crítica, etc.. A escola é, portanto, uma arena privilegiada para se sentir que “De tudo ficou um pouco” para usar as palavras de Drummond de Andrade. Os capítulos do presente livro estão focalizados em torno de um conjunto de  problemáticas tendo a educação como matriz transversal, mesmo quando implícita.

Lídia Oliveira - Universidade de Aveiro, Portugal.

 

Opinião das pessoas - Escrever uma crítica

Não foram encontradas quaisquer críticas nos locais habituais.

Palavras e frases frequentes

Acerca do autor (2013)

Autores: Ademilde Silveira Sartori, Ana Margarida Almeida, Andreza Regina Lopes da Silva, Angela Schaun, Araci Hack Catapan, Beatriz Braga Bezerra, Beatriz Helena Dal Molin, Berenice Santos Gonçalves, Carlysângela Silva Falcão, Celso Figueiredo Neto, Conceição Lopes, Deglaucy Jorge Teixeira, Dóris Roncareli, Fernanda Elouise Budag, Fernando Jose Spanhol, Francieli Motter Ludovico, Jacqueline Sobral, Jorge Ferraz de Abreu, Julia Cristina Granetto, Lídia Oliveira, Maria de Lourdes Bacha, Mirian Lígia Endo Karolesky, Patricia Bieging, Patrícia Oliveira, Raul Inácio Busarello, Rita de Kássia Araújo da Silva, Rita Oliveira, Sabrina de Magalhães Franco, Vania Baldi, Vania Ribas Ulbricht e Victor Aquino.