Pesquisa Imagens Maps Play YouTube Notícias Gmail Drive Mais »
Entrar
Livros Livros
" Alma minha gentil, que te partiste Tão cedo desta vida, descontente, Repousa lá no Céu eternamente E viva eu cá na terra sempre triste. Se lá no assento etéreo, onde subiste, Memória desta vida se consente, Não te esqueças daquele amor ardente... "
Camões, Os Lusiadas e a renascença em Portugal - Página 67
por Joaquim Pedro Oliveira Martins - 1891 - 324 páginas
Visualização integral - Acerca deste livro

Obras completas de Luis de Camões, correctas e emendadas pelo cuidado e ...

Luís de Camões - 1843
...tornar pudéra a ser nascido! Soubera-me lograr do bem passado, Se conhecer soubera o mal presente. XIX. Alma minha gentil, que te partiste Tão cedo desta vida descontente, Repousa lá no Ceo eternamente, E viva eu cá na terra sempre triste. Se lá no assento Ethereo, onde subiste, Memoria...
Visualização integral - Acerca deste livro

Obras completas de Luis de Camões, correctas e emendadas pelo cuidado e ...

Luís de Camões - 1843
...tornar pudéra a ser nascido! Soubera-me lograr do bem passado, Se conhecer soubera o mal presente. XIX. Alma minha gentil, que te partiste Tão cedo desta vida descontente, Repousa lá no Ceo eternamente, E viva eu cá na terra sempre triste. Se lá no assento Ethereo, onde subiste, Memoria...
Visualização integral - Acerca deste livro

Obras de Luiz de Camões: Vida de Luiz de Camões. Elogios dedicados a L. de ...

Luís de Camões - 1860
...omnipotência da morte! Mas eis-lo acordado do seu lethargo, e que balbucia, murmura umas palavras; ouçamo-lo: Alma minha gentil, que te partiste Tão cedo desta vida descontente, Repousa lá no Ceo eternamente, E viva eu cá na terra sempre triste. 97 N E só vires, que pôde merecer-te Algíía...
Visualização integral - Acerca deste livro

Obras, Volume 1

Luís de Camões - 1861
...da morte l Mas eis-lo acordado do seu lethargo, e que balbucia, murmura umas palavras; ouçãmo-lo: Alma minha gentil, que te partiste Tão cedo desta vida descontente, Repousa lá no Ceo eternamente, E viva eu cá na terra sempre triste. 97 E se vires, que pode merecer-te Algua cousa...
Visualização integral - Acerca deste livro

O judeu: romance historico, Volumes 1-2

Camilo Castelo Branco - 1866
...Francisca. — Depois de morta. Isso de que presta?... Bem me recordo: glosavas os versos do soneto de Camões: Alma minha gentil que te partiste Tão cedo d'esta vida... * — E' verdade, — acudiu Antonio José com desvanecimento — Glorio-me de ter levado a primazia...
Visualização integral - Acerca deste livro

As promaveras

Casimiro José Marques de Abreu - 1867 - 235 páginas
...(Assenta-se e lê".) Alma minha gentil que te partiste Tão cedo d'este mundo descontente ; Hepousa lá no céo eternamente, E viva eu cá na terra sempre triste. ANTÓNIO (A' parte) Alli n'aqnel!ft leito- tão mesquinho Repousa o maior vate d este mundo ! P'r'o...
Visualização integral - Acerca deste livro

Camões e os Lusiadas

Joaquim Nabuco - 1872 - 286 páginas
...pôde ser bem apreciado ao lado do primeiro, — parallelo que o leitor fará, da descrença e da fé. Alma minha gentil, que te partiste Tão cedo desta vida descontente, Repousa lá no Ceo eternamente, E viva eu cá na terra sempre triste. Só lá no assento Ethereo, onde subiste, Memória...
Visualização integral - Acerca deste livro

Historia da litteratura portugueza, Volume 11

Joaquim Theophilo Braga - 1873
...inimitavel Soneto XIX, que começa pela phrase com que termina o que se intitula Das suas perdições: Alma minha gentil que te partiste Tão cedo, d'esta...eternamente E viva eu cá na terra sempre triste. Roga a Deus, que teus annos encurtou, Que tão cedo de cá me leve a vêr-te Quão cedo de meus olhos...
Visualização integral - Acerca deste livro

Historia de Camões, Parte 1

Teófilo Braga - 1873
...inimitavel Soneto xix, que começa pela phrase com que termina o que se intitula Das suas perdiçfcs: Alma minha gentil que te partiste Tão cedo, d'esta...eternamente E viva eu cá na terra sempre triste. Roga a Deus, que teus annos encurtou, Que tão cedo de cá me leve a vêr-te Quão cedo de meus olhos...
Visualização integral - Acerca deste livro

Sonetos

Luís de Camões - 1880 - 286 páginas
...os sentidissimos versos do soneto 19, o mais conhecido, e talvez o mais bello de quantos escreveu: Alma minha gentil, que te partiste Tão cedo desta vida descontente, Repousa lá no Ceo eternamente, E viva eu cá na terra sempre triste. Se lá no assento Ethereo, onde subiste, Memória...
Visualização integral - Acerca deste livro




  1. A minha biblioteca
  2. Ajuda
  3. Pesquisa de livros avançada
  4. Transferir ePub
  5. Transferir PDF