Os varões illustres do Brazil durante os tempos coloniáes, Volumes 1-2

Capa
A. Franck, 1858
2 Críticas
As críticas não são validadas, mas a Google verifica a existência de conteúdo falso e remove-o quando é identificado
 

Opinião das pessoas - Escrever uma crítica

Não foram encontradas quaisquer críticas nos locais habituais.

Páginas seleccionadas

Outras edições - Ver tudo

Passagens conhecidas

Página 200 - Brasil : vastissima região, felicissimo terreno, em cuja superfície tudo são fructos, em cujo centro tudo são thesouros, em cujas montanhas e costas tudo são aromas...
Página 379 - Melancólica sombra. Mais de perto Descobrem que se enrola no seu corpo Verde serpente, e lhe passeia e cinge Pescoço e braços, e lhe lambe o seio. Fogem de a ver assim...
Página 201 - ... são as mais benignas, e se mostram sempre alegres: os horizontes, ou nasça o sol, ou se sepulte, estão sempre claros...
Página 219 - E visto o que allegou, hei por bem fazer-lhe mercê ao supplicante de lhe conceder o privilegio de que pondo por obra o invento de que trata, nenhuma pessoa, de qualidade que for, possa usar delle em nenhum tempo neste reino e suas conquistas, com qualquer pretexto, sem licença do supplicante ou de seus herdeiros, sob pena de perdimento de todos os seus bens ametade para elle supplicante.
Página 63 - Mas cercam-me outros monstros mais irados: Mordem-me sem cessar as bravas serpes De mil e mil cuidados. Eu não gasto, Marília, a vida toda Em lançar o penedo da montanha Ou em mover a roda; Mas tenho ainda mais cruel tormento: Por coisas que me afligem, roda e gira Cansado pensamento.
Página 221 - Na éíhérea região eu já lhe approvo A diabrura do subtil invento; Pois um milagre fez, que é mais que novo, Em manter tantas boccas só de vento Fazendo um camaleão de tanto povo.
Página 219 - E porque deste invento tão útil se poderiam seguir muitas desordens, commettendo-se com o seu uso muitos crimes, e facilitando-se muitos mais na confiança de se poder passar logo aos outros reinos, o que se evitaria reduzido o dito uso a uma só...
Página 379 - Açouta o campo coa ligeira cauda O irado monstro, e em tortuosos giros Se enrosca no cipreste, e verte envolto Em negro sangue o lívido veneno.
Página 80 - Sobre a America toda, que protesta Jurar nas vossas mãos a lei sagrada. Vai, ardente desejo, Entra humilhado na real Lisboa, Sem ser sentido do invejoso Tejo: Aos pés augustos voa. Chora e faze que a mãe compadecida, Dos saudosos filhos se condoa. tt Ficando enternecida. Mais do Tejo não temas o rigor, Tens triunfado, tens a ação vencida.
Página 51 - Tu não verás, Marília, cem cativos Tirarem o cascalho ea rica terra, Ou dos cercos dos rios caudalosos, Ou da minada Serra. Não verás separar ao hábil negro Do pesado esmeril a grossa areia, E já brilharem os granetes de oiro No fundo da bateia.

Informação bibliográfica