Obras completas do cardeal Saraiva: (d. Francisco de S. Luiz) patriarcha de Lisboa, precedidas de uma introducc̜ão pelo marquez de Rezende, Volume 3

Capa
Imprensa Nacional, 1874
0 Críticas
As críticas não são validadas, mas a Google verifica a existência de conteúdo falso e remove-o quando é identificado
 

Opinião das pessoas - Escrever uma crítica

Não foram encontradas quaisquer críticas nos locais habituais.

Páginas seleccionadas

Outras edições - Ver tudo

Passagens conhecidas

Página 318 - ... a el-rei meu Senhor, cuja alma Deus haja, ea mim tem outorgadas. Segunda, por continuar o bom propósito e vontade que sobre isto havia o dito Senhor rei e claramente mostrava em esta forma que o por graça de Deus encaminhei, e com menos poder fazia dele figura de o por em obra; na qual vontade até o fim de seus dias continuou e finalmente disto foram as derradeiras palavras que nos bem pode falar; e por muitas vezes nos disse tais palavras que muito nos constrangiam a proceder em esta conquista...
Página 394 - Pelo Reino porei a vida muitas vezes; e pela honra e pela Fé porei honra, e vida, e tudo; pelo proveito do Reino, e meu, não porei a honra do Reino, ea minha, pois este foi o caminho dos Reis que a ganharam»27.
Página 359 - Portugal numa preoceupação, que nos pareceo digna de ser refutada neste discurso, para que não torne mais a figurar com menoscabo da verdade, e com algum desdouro dos Portuguezes. Consiste em se dizer «que os Portuguezes são propensos a ajuizar, ou suspeitar mal das suas Rainhas viuvas, principalmente sendo estrangeiras, e Castelhanas».
Página 41 - Sobre o caracter que se attribue a elrei D. Affonso II a respeito de seus irmãos, e sobre as discórdias que -com elles houve.
Página 318 - Duarte não escrevesse entre as ditas razões a seguinte: por que sobre esto me conselhei com os do meu conselho, e grande parte se acordou em esta tençon; ea meus confessores o disse, os quaes mo louvarão, e approvarão &c.
Página 392 - Soberano, aborrecia a propria natureza, eothalamo. se refutão, visto que taes escriptores, nem forão confessores de el-Rei D. Sebastião, nem ao menos seus Íntimos confidentes, para saberem, se as prendas encantadoras das mulheres impressionavão, ou não, o seu coração, e se a força da formosura ficava sempre corrida e desprezada a seus olhos, ác.
Página 247 - E se ferio e chagou o teu pé, Deos he quem sara as chagas, e cura as feridas. E se de certo elle te castiga, e te fere, deves sofrer tua dor com muita paciencia, e se te converterá em gozo e contentamento; e segundo a grandeza da dor, assim será a consolação na tua alma: que prova Deos os homens na...
Página 247 - Soube pois por relação de muitos, que aquelle dia foi espantoso, irado e cruel contra tua Magestade, contra tua gloria, e contra toda a tua Hespanha, temida de todos, desd'onde nasce o sol até o seu occaso. Cahio, quiçá, por isto o Principe temido e poderoso: do...
Página 247 - Lemos que a gran-cidade de Roma, senhora do mundo, foi muitas vezes avassallada e vencida. Lemos que aquelle grande Cyro, senhor de Babylonia, foi vencido de mulheres. Lemos que Dario, senhor de tantos Reis, foi perseguido e vencido do Arabia, subdito e vassallo seu.
Página 89 - ... tanto que entrou no Regno, tanta alegria receberam os Portuguezes com sua vinda, sabendo quem era, e como vinha a seu requerimento, que os mais dos Lugares por as proprias vontades dos moradores delles se lhe davam, e aquelles em que achava alguma contradição logo por execuções que o Delegado sobre elles punha, ou por combates, ou forças não tardou em os cobrar todos salvo Coimbra, em que estava Martim de Freitas, e Celorico da Beira, em que estava Dom Fernão Rodrigues Pacheco, que ambos...

Informação bibliográfica