Imagens das páginas
PDF

bem as traças, & alicefes dete grande edificio epiritual, com tal arte,que nada fica por ver, & muyto que imitar nos exemplares fanctos deta fagrada Religiãm, & no Autor a modetia, & bom eftylo com que efcreve, em ofenfa de Particulares, edifi. cando a todos;pera o que deve fihir a luz ete primeyro tomo. Lisbôa no convento de nofa Senhora da Graça, em 2o. de Outu

|bro de 1644. •
O P.%Fr. Antonio Zottado.

puzzczz, E ao Provao... 2o sevrol 1 Reverenda P...2..Pr._Adriam Pedro,da/grada Ordem da Sanfifima Trin

dade, Zoutor,Q} 3ífire em Theologia, Qual/cador do S Oficio, grc.

Autor deta Chronica, da infigne Religiam da Companhia de IESVS,da Provincia de Portugal(que por manda} do do concelho géral do Sancto officio vi)nella nam achey coufa | alguma contra nofa fancta fé, ou bons cotumes, antes os raros exemplos de virtude, & mortificaçam,que nella fe referem, podé fervir de grande utilidade a todos os que a lerem, porque como |dife o grande Doutor S.Bafilio: llorum enim qui infd: daruerunt h, floria,velut lucem quamdam Zeicultoribus advirtutis ter 0fendir: grangeãdo o Autoro devido repeyto a fua illutre Religiam,com a rela:

O Muyto Reverendo Padre Mefire Balthezar Telles he o

çam de progenitorestam infignes.

Salcet fi alim ius rerum in femine certa,
Er referunt animosfingula queque Patrum. ---* |

Lisboa, no convento da Sanctifima Trindade,em 1o. de Novem

bro de 1 644.

[ocr errors]
[ocr errors]

P_2 Z E CEZ, E L4? P2O U A C.A.% Z) O XV770
Reverendo P. Y. Fr. Gafar dos Keys da fagrada Religiam do (armo,
Zoutor, @ Lente jubilado na fagrada Theologia,

Qualificador do S.Oficio@c.

* 71 ete livro da fegunda parte da Chronica da fagrada ReliV# da Companhia de IESVS, Autor o Reverendo Padre * Balthezar Telles,Religiofo muy douto, & muy conhecido

por outras obras da me{ma familia. Nam tem coufi que feja con

|tra nefa fincta fê& bons cotumes antes me parece hitoria otodos

[ocr errors]

dos utilima.& muy digna de fe imprimir. E porque contem al

güas vidas de varoensillutres,& que morrèram com fama, & cre

dito de fanátidade, milagres,& outros louvores, deve fera impref| fam com os protetos que apontam o nofo Padre Lezana tom.4. que#Regul.õJerbo Sanflorum cultus,num.9.@ 1o. pera fe fatisfazer ao decreto de Vrbano VIII. dado em 13 de Março de 1625. que começa Santifomus Zominus noters@rc.o qual decreto refere Diana | part.4folmihi 28o.& confirmou o me{mo Papa,em 5 de Iulho de 1634. Nete convento de nofa Senhora do Monte do Carmo deta cidade de Lisboa,em 23 de Novembro de 1646.

[ocr errors]

?_1x E CEx , E L42 PZ O CDA GA3 z, o 3: VXTO Reverendo P.Fr. Ignacio Galvam da/agrada Religiam de S. Zomingos, * Zoutor em Theologia, %%fre da Ordem, Qualificador - - do Santo Oficio, @c.

} Ste fexto livro da fegunda parte da Chronica da fagrada | E Religiam da Companhia de IESV,da Província de Portugal,nam tem coufa algúa contra nofa fêCatholica, ou bõs cotumes,antes todo elle età cheyo de motivos pera exaltaçam da fê,& de exemplos pera reformaçam de cotumes, com grande gloria da me{ma Companhia,da qual tantos, & tam infignes fogeytos,em letras,& virtudes tem fahido, & fayem, dos quaes podemos entéder aquillo Zan, 12.3. Quiaduficiã erudiã, multos,queffielle, @yc.O eftylo deta hitoria,as palavras,& o concerto, com que o muy Reverendo Padre Doutor Balthezar Telles Autor delle dif poemas coufas que trata,he tam fubido,& tambem ordenado,ao proveyto de quem a ler,que nam deyxou de me fervir de grande edificaçam, & afim me parece que he dignifimo de fahira luz.

S.Domingos de Lisboa, 11 de Dezembro de 1646.

X.Fr. Ignacio Qabam.
Licença do Tribunal da Santa huufom.

V 7 Itas as informaçoens podefe imprimir a fegunda parte da . Chronica da Companhia de IESVS, da Provincia de Portugal,Autor o Padre Balthezar Telles,& depois de imp è{

fa

| licença pera correr,& femellanam correrà. Lisboa 11 de De

zembro de 1 646.

Fr. Ioám de Va/concelos. Pero da Syba de Faria, Zigo de Soufa.
Francfoard% de Torneo. Pantakam Rodrigues Pacheco.

Licença do Ordinario. P Odefe imprimir Lisboa 6. de Dezembro de 1644. |- O Zipo de Targa.

Licença da Xefa do Paço.

Q Vefe pofa imprimir efte livro, vito as licenças do San&o |

Officio & Ordinario,& depois de impréfo,torne pera fe tay. xar,& femifo nam correrâ. Lisboa 9 de Dezembro de 1645.

zion. • - (oelho.

Conferencia.

E Stafegunda parte da Chronica da Companhia de IESVS,

compota pelo muyto Reverendo Padre Metre Balthazar

[ocr errors]

Licença do 7ribunal da Santia Inquiçam.

Lisboa 12.de Iulho de 1 647.

Pantaleão Rodrigues Pacheco. Fr.loam de &/a/concellos.

Ziego de Soufa. Francifo (ard% de Torneo. Pero da Syba de Faria.

Taxa da Xefa do Paço.

Axamete livro em mil reis em papel. Lisboa 18.de Agoto
de 1647.
Ribeyro. Coelho. (izado.

[ocr errors]

Telles,etá conforme com o feu original. Lisboa no Convento da

V Ito etar conforme com o original pode correrete livro |

[ocr errors]
[ocr errors]

LIVRO

[merged small][ocr errors][ocr errors]

DA CHRONICA />
DA COMPANHIA DE |
IESV, NOS REYNOS
* * * DE PoRTVGAL.

- , ! CAPITV L o I. Continha em fuguru o P. ProvincialDiogo Mirim, exercitamfi os nofos no Collegio de Coimbra em grandes mortificaçcãs: 3 de huma publica dfliplina, que tomaram pela me{ma cidade.

[blocks in formation]
[ocr errors]
[ocr errors]

\

#

[ocr errors]

em Portugal.& fuas conquitas:
contamos a fua fahida pera Ro-
ma, & a fua ultima jornada pe-|
ra o céo,difemos dos degotos |
q aquella aufencia caufou;afsim |
em alguns feculares de fôra,co-
|mo em muitos Religiofos de
cafa. Neta fegunda parte ve-
remos comoDeos nofioSenhor, |
na falta do Padre metreSimam,
parece que tomou à füa conta,
com particular cuydado, o go-
verno d'eta Provincia; & hire-
mos continuando com os fuc-
cefos reftãtes do anno de i5 52.
que eram 13.daCôpanhia,em 4
ficamos,& vêdo o que fuccedeo
na Província (fendo Provincial
o P.Diogo Mirám)& no Colle-
gio de Coimbra,que governava
o P. Manoel Godinho. - .
2 Sucede muitas vezes, J

Como Deos ]: tomou à | /ua conta efia Provincia,

[ocr errors]
[graphic]
[graphic]
[graphic]
[graphic]
[graphic]
[graphic]
[merged small][merged small][ocr errors][ocr errors][ocr errors][ocr errors][merged small][merged small][merged small][merged small][merged small][merged small][merged small][merged small][merged small][merged small][merged small][merged small]

çam,de rara humildade,&notavel mortificaçã, jejuava muitos

trazia continuo cilicio, vigiava grande parte da noite em ôraçam. Foy homem de grãde charidade,que era nelle mais de ef timar,pela feveridade de fua pe! foa, & a{pereza, á guardava em feus cutumes:eram finalmente taes feus procedimentos,q muitos o queriam comparar ao Apotolo doOriête,dizêdo(como tetifica o nofo hitoriadorogé. ral)á no mefmo foro tinhã o P. DiogoMiram em Portugal,4 ao S. P. Frãdifco de Xavier na Índia.

4 Seguia bé fuas pifadas o P. Manoel Godinho, Reytor do Collegio de Coimbra,dequépor vezes falamos na 1 paute,ooqual era Religiofo de rara virtude,de muita àraçam, & ainda de mayor mortificaçam;nellefe acha|vam em grao muito conhecido o mõte de myrra,&o outeiro de incéfo, aonde o diuino o Epofo defejava fubir; nelle recendiam a myrra da mortificaçam, & o incenfo da oraçam; mas a ventagem, que faz o monte ao outeiro, efa fazia nefte bom Padre a mortificaçam animofa, a àraçam affectuofa. Viofe bem em feu governo quanta força tem o exemplo do que rege,pera arrebatar apos fy os que fam regidos. Nam fe tratava de outra coufa nete tempo no Collegio de Coimbra, mais

que

dias na fomana a pam, & agoa;

[ocr errors]
[ocr errors]
[merged small][merged small][merged small][merged small][merged small][merged small][ocr errors]
« AnteriorContinuar »