Imagens das páginas
PDF

Partefganda. LR7 Quarto. Cap.XXXI. 153

[merged small][merged small][merged small][merged small][merged small][merged small][merged small][merged small][merged small][merged small][merged small][merged small][merged small][merged small][merged small][ocr errors]

eítima a efles comete as emprefas mais difficultofas, & aos de melhores talentos, manda mais liberal aos mares da gentilidade. Quando Chrifto ouve outra hora de entrar no mâr, fez primeyro largar as turbas, & ordenou que sòs feus difcipulosa o feguifem,& entrafem com ele na naveta, porque ito he proprio dos difcípulos, dos mais queridos, & amados do Senhor, feguir a Chrito por már: os das turbas deyxa em [CTT2. 3 . Aquelle Anjo do Apocalypfe b que reprefentáva o Verbo Eterno, tinha o pè direyto (obre o màr, & o efquerdofobre a terra; por etes pès entendem os fagrados Doutores aos prêgadores do Evangelho,porque com etes fermofos pés,como lhes chamou Ifayas e correo o mundo, anunciando a paz,& prégando o Evangelho; pois detes prègadores o pé direyto poz elle (obre o mâr: - Pofur * pedem: fuum dextrum Jeper mare, o efquerdo (obre a terra, Sinfrum autem foger terram, pera nos dár a entender, diz Rupertoo Abbade,que aos pregadores de mais fer, aos demelhores talentos,aos de mais graça, &

mais detreza, pedem dextrum, a

[merged small][ocr errors]
[ocr errors]

| efes manda que vam a nave

gar fobre o màr/upermare: nam confia Deos a converfãm da

gentilidade de gente commua, • " , & ordi

[merged small][merged small][merged small][ocr errors][ocr errors][merged small][ocr errors]
[ocr errors][ocr errors]
[blocks in formation]

Deos efcolhe pera as emprezas mais perigofas do már da gentilidade. 4 Affi fuccede na Companhia, he béçã particular deta fagrada religiam,que os melhores fogeytos, & em quem eta

vam mais bem libradas as mais |

vivas efperanças deta provincia,etes famos primeyros que pedem hir pera a India, etes fam aos que os fuperiores concedem, entre muytos opofito

res,ete,que eles tem por incõ=|
paravel favor começou etano-|| d -
Gonçalo da Sylveyra,de ver fe-

bre acçam no principio da C5panhia porS.Frãeifco de Xavier,

nam há duvida que entre os

companheyros de San&to Igna

cio ele era o mais bem avalia

do, pelos muytos,& raros talêtos de virtude, de letras, & nobreza que Deos helle tinha recupilados,ete era o mais prezado, & etimado de Sãéto"Íg. nacio,ete o que mais lhe tinha

cutado; pois ete, deyxando |
os mais em terra, entrega San- •
| Gonçalo da Sylveyra pera eta

éto Ignacio às mifsoês do màr. Ete fanáto cutume tambem principiado, vemos continuar atè o tempo de agora, em que

1 os mais dos annos,vemos hir

deta Provincia pera a India,os fogeytos de mayor etima, os irmãos em que viamos mais bê fundadas as eperanças, os Padres de mais conhecido governo,os Doutores de melhores letras, a etes manda a Companhia pera a India, detes confia Deos a entrada no màr, a etes entrega a converfam da China, pera etes fe afiam as catanas Iaponezas, etes famos que nam temem as tempeftades do

Oceano, os que bufcam os tormentos do martyrio, & os que melhor deprezam as fogueyras,& as covas do Iapâm; nam famito eleyçoens humanas, fam predefiniçoens divinas. 5 Sopota eta verdade menos nos fica que etranhar de verhir pera a Cafraria o P.

pultar entre fombras de ignorancia a hum folde fabidoria: quanto a misâmera mais perigofa,tanto lhe ficava ao fan

trabalhofa, tanto mais etima

era o mais prefado na India, & o mais querido em Portugal, tanto mais fe lhe devia eta emprefa.......... # ... . . . ou o #Partiofeiemfim o Padre

[ocr errors]

dous companheyros, que foram o Padre Andrè Fernandes, & o

[ocr errors]

cto mais gotofa, quanto mais

da;&quanto o Padre Gonçalo |

[ocr errors]

darê Pera a India,& pera a Cafraria o P. Gonçalo.

irmam

[ocr errors][merged small]
[ocr errors]

| remerofas,& as incomodidades

irmam André da Cota, Religiofos de muyta virtude, & zelo da falvaçam das almas: chegou a Chaul,aonde achou húa nao,na qual hia pera Capitam de Sofala Pantaleam de Sä (irmam de Sebatiam de Sà de Menefes a quem hia foceder no cargo, & tinha parentefco com o Padre Gonçalo)& como

paflagem atè Moçambique; na qual viagem tiveram huma fu

que parece os livrou Deos por intercefoens dete feu grande fervo. Em quanto o Padre efperava por embarcaçam pera Monomotapa, & Tonga, continuou com os mefinos exercicios que fazia em Goa; & podendo efperar mais hús diaspela nao em que havia de hit a Sofala Panteleam de Sá,tanto q fe lhe offereceo a ocafiam de poder fahir em hum jambuco, (que he hum genero de embarcaçam incomodifima de que fe ufam naquellas partes) nam quiz efperar mais nem hum sò momento,porque ainda que as difficuldades da jornada eram

da embarcaçam muytas, & o calor do Sol muy grande; com tudo mayor era o efpirito dete incanfavel prègador de Chrif to. Adoeceo graviffimamente em chegando a Tonga; man

[ocr errors]

bita,& horrivel tempetade, de |

[blocks in formation]

os de fua cafa,os bautizou, chamandolhe no bautifmo Conf. tantino, em memoria do Viforrey Dom Contantino: logo fe voltou a Moçambique a prepararfe pera entrar em Monomotapa, deyxando os companheyros em Tonga pera continuarem em cultivar aquella nova Chriftandade. 7 E por nam perder occafiam que fe lhe offereceo.

[blocks in formation]

aquiete forte mãtenedor, pera |

dou entre tanto diante feus cõ- ]

--- - - ••••a

_*___*_*_*_*_*_*_*_*_*=–

entrar

-_-_-_ -_ - _-_•

nhos, navegando por muytos |

[ocr errors][ocr errors]

Como fere colheo em exercicios

entrar naquelles tam defejados defafios com os trabalhos, com as difficuldades,com os ardores do Sol, com a barbaria, com a gentilidade,com os Mouros, cõ as fomes,com as fedes, com os inferno todo, & com a mefma morte. Entrou por varios Reynos da Cafraria, bautizando, & doutrinando muytas gentes, convertendo muytos milhares de almas,atèque chegou a Monomotapa, que foy demandar, por fer o Reyno principal daquelas regioens,porque bautizado aquelle Rey ficava mais facil a converfäm, & bautifmo dos outros Reys da Cafraria, q lhe fam tributarios.

8 Tanto que chegou à foz do rio Cuama ( que jà hé nos confins de Monomotapa)

| dentro na pedio aos Portuguefes,que per"arco-mitifem deyxalo retirar deles çam.

os dias que retavam da navegaçam, porque queria tratar sò com Deos aparelhandofe pera dâr áquelle Rey a embayxada, que da parte do me{mo Deos lhe trazia; logo fazendo huma como cortina de hum pedaço de vèla, eteve deta maneyra

por efpaço de oito dias,em oraçam com Deos,&o tempo que lhe retava da oraçam gatava em ler vidas de fanctos,fem comer mais que huma vez no dia húa mam chea de grãos torra

dos,& beber huma pouca de

retirado em fanctos exercicios,

augoa, & fem em todos etes dias falar com nenhum dos da embarcaçam, que igoalmente hiam edificados, & admirados daquelle feu fancto paflageyro, que afsim orava metido na con. fufām de humanaveta,como fe etiveffe retirado na Thebayda fuperior; que na verdade aonde o efpirito he grande nunca falta occafiam pera o poder exer. citar com Deos, & retirar dos homens.

CAP ITV L O XXXVI.

Prgaa em Monomotapa, lautiza o Rey, & a Rainha fua mãy: tratam os Mouros de lhe dhra morte, & como fe aparelhou o fervo do Senhor, pera a rece

ber. # tocar brevemente a morte

gloriofá dete incomparavel} varâm ( como fiz relatando a do Padre Ignacio de Azevedo) deyxando o mais, afim pera o anno, em que focedeo, como pera a hitoria da India, que

Am pretendo neta hiftoria mais

nos nam pertence, & ainda

pera

=

[graphic]

|

Parte fegunda, Livro TartaCap X XXVI. 157

[merged small][ocr errors][ocr errors][merged small][merged small][ocr errors]

pera efte pouco tomamos a li-, feytiços,q lhe tinha começado

cença attento, vito fer o Padre Gonçalo da Sylveyra filho deta Provincia. Chegado o pois o Padre a Monomotapa,que he o Reyno, principal de toda a Cafraria,com fua fancta induftria,& gloriofos trabalhos (que fe contam em a fua vida, & na Chronica b gèral da Companhia) teve com aquelle Rey(ao qual tambem chamam Monomotapa)grande entrada por via de algús Portuguetes, entre os quaes havia hú chamado Antonio Cayado, que tinha muyta amifade,& toda a valia com ef. te barbaro, & era o feu prefidête, & como guarda môr de todos os pôrtos, & entradas de feu Reyno. Viofe o Padre com o Rey,prègoulhe, & praticoulhe a Fé de Chrifto a elle, & a toda fua corte,&finalméteobau tizou cõaRainha fua mãy,& cõ muytos dos feus mayoraes, & grãde numero de gête do povo. 2 Nam pode o inimigo cõmum fofrer tam gloriofos progrefos,intigou a hús Mouros, como adverfarios declarados de nofa fanéta Fè,pera fazerê matar ao sã6to varâm,& deta maneyra impediré a prégaçam do Evãgelho.Vamfe ao Rey, taes

| arrefoados lhe fizeram(quando

com felices principios hia lançando tamboas raizes) q o perfuadiram,á o Padre lhe preten dia tomar o Reyno por via de

[ocr errors]

a dárcõ a augoa do bautifmo,& cõ as palavras delle. Enganado afim o Rey barbaro,&njudãdofelhe logo o amor de Chrito, em odio infernal, obrou como Cafre,4 era fem ley, & fem nenhüacõttancia no bê, tambem começado. Mandou chamar a côfelho os Engangas (que afim chamam aos Mouros) & afsêtáram,á o P.foffe morto. Efta refoluçam guardou elRey cófigo em táto fegredo q o nam quiz defcubrir a feu valido Antonio Cayado: mas o que o Rey nam dife ao feu privado, declarou Deos ao feu fervo, & afim quãdo menos o cuvdava Antonio Cayado,lhe # o P. Eu fey q elRey me ha de mandar matar, mas etou muy alvoroçado pe

[ocr errors][ocr errors][ocr errors]

ra receber por amor de Deos tambem avêturado fim; ficou o Portugues muy novo, & muy efpãtado cõete dito do P. pretendeo perfuadilo,4 nam podia fer tal;mas o P.lhe diffe á nam fecãíaffe,4elle fabia, qafim era. Foy elle logo ao Paço pera ver 4 fundamento podia ter o q o P. contra o que imaginava,com taes vèras lhe dizia; & fallando cõ o Rey, entèdeo q os Mouros inimigos de Chrito o tinham enganado,contra o fervo do Senhor.Bê pudèra o P.porte é falvo,mas como havia de fugir do martyrio q via perto, qué cótã

tas anfias obufcava de ram lõge?

O Era

« AnteriorContinuar »