Imagens das páginas
PDF

Em outras muytas | coifas ex

ercitam 03 | padres de S. Roque /ua cha:

ridade.

muytos,& animando a todos. 12 Deyxo tambem de referir muytos, & muy gloriofos bautifmos de Mouros nobres, & de Gentios, que por vezes fe celebram na Igreja de S, Roque.E tambem pudéra contar da muyta confiança com q ally nos tratâram fempre os q governam o tribunal do fancto Officio;& ainda pudèra dizer mais do incõparavel trabalho com á os Padres daquella fancta cafa, & os mais q temos em Lisboa, fe occupam cõ os q por aquella mefa ficam relaxados ao braço fecular, que na verdade he trabalho grandiffimo, como béfe deyxa ver, & como melhor o experimentamos; poto q o da

[merged small][ocr errors][merged small][ocr errors][merged small][merged small][merged small]

mos por muy bem empregado,

[blocks in formation]

rizadas

[ocr errors]
[graphic]
[graphic]
[merged small][merged small][ocr errors]

rizadas nos annos,que nam ha

via no mundo pefoa mais gra

ve, nem Princepe mais autorib zado, que o incomparavel PaVideobado dre Sam Gregorioo Magno, & 1I) C1L1S V1U2 # com tudo fe conta dele, que tij 12. por fy metmo doutrinava os mininos: & quando etava doête fe fazia levar em huma caminha ao lugar aonde os mininos vinham tomar a liçam, afitindo cuydadofo ao enfino dos que amava como pay: & né o grãde màr de occupaçoês,em á andava quafiafogado,fendo Summo Pontifice da Igreja de Deos,lhe podia tirar o cuydado de affitir à doutrina dos innocêtes. E das

[merged small][merged small][merged small][ocr errors][merged small][merged small][ocr errors]

cõeita obrigaçam de enfinar a ouanto fancta doutrina, pero q enten- Cipanhia dam, q ainda q fam fuperiores % (21/ dos outros por dignidade, devé * o fogeytarfe a enfinar, & doutri- Oit/"177.1, nar mininos por humildade; perfuadindofe, q primeyro quer delles aCompanhia, que enfiné a doutrina, do que governê os fubditos. Os primeyros da Cõpanhia, q nelta Psovincia com feliz exordio,&ditofo applaufo, exercitāram tam fancto minif| terio,foram os Padres S. Fiãeif co de Xavier, & o Metre Siman, Rodrigues; os quaes dentro do Paço a enfinavam aos ninino fidalgos,& fôra do Paço a toda a forte de gête;& cõ principios tam ditofos nam podiam deyxar de fer valentes os fuccefos, & os progrefos véturofos. E poto qeta obrigaçam pera todos os da Companhia he commua, pera os moradores deta cafa he muyto particular, porá tanto q houve em S.Roque pulpito, lo: go houve doutrina,a qual fecelebrava todas as tardes dos Domingos,& dias fanctos, cõ notaveis concurfos de innumeravel gente, que,à volta dos mininos, vinham affitir a tam fanéto minifterio. o P.Go;

3 O primeyro P. q em S. 41" , ". Roque,por obrigaçam de ofi- # " cio,fe empregou cõ zelo Apof. % tolico nete proveytoto exerci-exís. # cio, foy o P.Gõçalo Vaz deMel 14"> en: lo á foy Provincial&Prepofito"""

[merged small][ocr errors]

trina. S 3 deta {

#f= *-*

[ocr errors]

delta cala, o qual entam (álem de fua mnyta nobreza) era dos mais nomeados prégadores que | tinha Portugal, & dos mais conhecidos em virtude, que havia na Companhia,como por vezes tenho contado, porque fempre efte fancto exercicio,como tam autorizado, andou em pefoas dete jaës, como foram també o Padre Ignacio Martins (de quem logo falaremos mais largamente)o Padre Ioám de Madureyra,varám de grande autoridade,& letras, o qual focedeo ao Padre Metre Ignacio,& tomou poffe deta fancta occupaçam no Domingo feguinte, em que acabou de fer Prepofito de Sam Roque; foyete Padre hú dos mais prezados, & dos mais exéplares religiofos deta Provincia,procedendo fempre como filho daquelle tam nobre, & tam honrado cidadam do

[ocr errors][ocr errors][merged small][ocr errors][merged small][merged small][merged small]
[blocks in formation]

foube que etavam pera dar a vêla, (e foy meter na urca em que hiam, efcrevendo huma carta aos Padres cõ{ultores, pe dindolhes perdam de nama|ceytar fua boa vontade, que ti. nham de o deyxar em Portugal,porém que a charidade de Chrito o apertava de maneyra, que nam podia deyxar de fe of ferecer logo ao màr, & ao martyrio parecefe eta carta com a que e{creveo Sancto * Ignacio Martyr,contra os que lhe que|riam impedir o martyrio.

• Com eta refoluçam fahio do porto de Lisboa, & primeyro que tomafe o do Brazil, foy tomado dos Piratas, & em breves dias morreo,& emproou no porto,& na Bahia da gloria; da maneyra que brevemente contamos na primeyra o parte; ete Padre Ioàm de Madureyra,foy o que focedeo na fancta occupaçam das doutrinas ao P. Metre Ignacio Martins, que sò tal fogeyto podia encher tal lugar:procedeo com tanta fa

Ioam de Madureyra,& quando |

Apa?Hier. lib. de Scriptoribus Ec clefiafticis.

h 1-p.l.2. c. 11 num.5. "

tisfaçam, que commummente lhe chamavam em Lisboa o

Sanóto,

[ocr errors][merged small][ocr errors]

Parte fogunda. Livro 7. CTXXXXVI 27 F •

Sancto, & afim foy fua morte fentidifima,a qual focedeo no anno de 16o I.

6 Seguiofe outro Padre em fazer as doutrinas, que foy o Padre FrãCifco Cardofo, cuja fama ainda hoje vive em Life boa, porque na verdade foy hú dos varoens Apotolicos da Companhia era natural da villa de Fornos do Bifrado de Vizeo,foy homem de grandesta

[ocr errors]

lco Theologia, & prègou com grandiffimo applaufo: era o pay dos pobres,era o remedio dos afligidos, & afim foy chorado

uando morréo, como fe a cada hum lhe morrefle todo feu bê; fazia as doutrinas com tam grãde zelo, & com tanta applicaçam,&talento,que parece que

contava exemplos de muyta edificaçam, com que fazia grãde abalo nos ouvintes,qué logo ao outro dia o vinham demandar na Igreja,& nas cratas de Sam Roque, aonde os hia ef perar, pera os ouvir de confifam.

7 Tratavafe com grandif fima apereza, & nam admitia mimo nenhum, nem prefervativos pera a faude, como alguns

|fazem,com capa de nam adoe

cer. Todas as noytes depois de tangerem a fe recolher a communidade,fe hia o Padre Fran

em Lisboa, & por feus arredores,o múdo todo hia apos elle, |

cilco Cardofo diante do Sanétifimo Sacramento, & ally ef. tava em oraçam até a meya noyte depois dito tomava fua difciplina.E por ifío era tanto O fruyto que recolhia nas doutrinas,porque era muyta a penitécia com que tratava o corpo; & porifo o feguiam tanto os homens,porque ele converfava tanto com Deos. Morreo neta cafa de Sam Roque, no anno de 1 6o4. fendo de idade de 6o. annos, & vivêra muytos mais,conforme fua valente cõ preyçam, fe a nam debilitára com tantas mortificaçoens, & com os demafiados trabalhos, que tomava fobre fy,por acudir aos pobres,& aos afligidos, dãdo por bem empregados os an

nos de vida que perdeo, pelo

fruyto das almas que ganhou. Sua morte foy muy fentida em toda a Cidade de Lisboa, foy

randifsimo o concurfo da gête à Igreja de Sam Roque, atè os pobres, & os mininos da doutrina acudiram com infignias de trifteza; celebrandolhe com lagrimas as exequias,& cõ humpranto tam desfeyto, que

por muyto tempo fenam falou

em outra coufa; os pobres particularmente choravam a perda de tam proveytofo varãm, que acudia com a doutrina aos ignorantes, & focorria com o remedio aos necefitados.

[merged small][ocr errors]
[ocr errors][merged small]
[ocr errors][ocr errors][ocr errors][merged small][ocr errors][merged small][merged small][ocr errors]

CAPITVLo XLVII.

|De outros Padres de grande

virtude,83 autoridade, queem Sam Roque tivéram o of

[merged small][ocr errors][ocr errors][ocr errors][merged small]

| filho de Dom Vazco Mafcare

nhas,como jà difemos,falando de feu irmam o P. Pero*Mafcarenhas. Tambem ete graviffimo Padre autorizou muyto ef. ta fancta occupaçam, porque como era tam illutre em fangue, & primo com irmam de Dona Margarida Corte real, molher do Vitorrey Dõ Chrif tovam de Moura, que entam governava ete Reyno,era muy conhecido,& muy etimado: & por fer de fingular natureza, bcnigno, & muy affavel, trazia apos fy a Cidade toda, gotan

| do muyto de lhe ouvir as dou

trinas, que fazia com grande cuydado, & continuaria mais neta tam louvavel occupa çam,fenam foffe divertido com os governos, em q o metèram,

"cio das doutrinas, o Padre Nuno Mafcarenhas,

I dos quas deo muy boa conta,"

feu tempo tivemos a boa forte da canonizaçam, dos nofos dous Sanctos

qual fe deve grande parte dete

porque em todos foy o mais bé,

|

quito, & o mais amado fuperior,que naquelles tempos havia. E com fer muyto brando, tambem catigava com muyto rigor,quãdo era neceffario, mas com tal modo,& com tam boa graça, que os mefmos pennitê ciados lhe ficavam obrigados, que eta he a melhor arte de correyçam catigar a culpa, & nam efcandalizar a pefoa. Af fim governou o Collegio de S. Antâm,o de Coimbra,& a cafa de Sam Roque,aonde foy Prepofito. O primeyro governo q teve foy o Collegio do Algarve,cuja fundaçam lhe devemos, porque por feu refpeyto (e moveo o illutriffimo, & Reverendiffimo Dom Fernam Martins Mafcarenhas (eu irmam, Bipo que entam era do Algarve,a nos fundar aquelle Collegio. 2 E em fim veyo a morrer em Roma, no anno de 1 637, fendo Affitente de Portugal,& tendo de idade 76 annos. Em

Ignacio de Loyola,& Francifco de Xavier, na

bom fuccefo ao Padre Nuno Mafcarenhas, porque com fua boa agencia,& grande entrada, que tinha com o Summo Pontifice, & com os mais Princepes Eccle fiaticos(porque de to

dos era muyamado,& muy ef> timado)

[ocr errors]
« AnteriorContinuar »