Imagens das páginas
PDF
ePub
[ocr errors]

3)

Anno de fez muýto lerviço a Deos, co-
Christo de

cordias, que se aquietàram; Anno da mo dissemos ) Tenam outro P.muytas as restituiçoens que Capanhia 1554. Manoel Fernádes, q foy noviço fe fizeram : comáram muytos 15.775

em Lisboa do Padre Antonio os exercicios espirituaeș de San

Correa,de quê falamos no capi- cto Ignacio; & em resoluçam 2.p.1.4. cap. culo 39.do quarto o livro;o qual procedèram os Padres nesta

focedeo ao outro Padre Manoel 'missám com todas as mais ce-
Fernandes no pulpito, & nas remonias sanctas, & bons su-
mais occupaçoens; foy este Pa- ceflos, que nas outras cüstu-
drea Elvas, mandado em mil mamos a referir , ensayandok
såm pelo Cardeal, porque esta aqui nesta o Padre Manoel
Cidade ; ainda naquelle tempo Fernandes, pera a principal,
pertencia ao Arcebispado del que fez no anno de 1555. á
Evora , & nam teve Se Cathe- || India,& dahi a Ethiopia, aon-
dral,nem foy Bispado distincto, de padeceo grandissimos tra
lenam no anno de 1570. em ýbalhos,cultivando aquella tra-
à petiçam del Rey Dom Seba balhofa vinha do Senhor, co-
stiam, por Bullas do Papa Pio mo adiante largamente vere-
Quinto, foy levantada aquella mos.
Igreja a lemelhante dignidade. 4 Deyxo esta, & outras
Hia por companheyro da mis missgens que os nosfos fizeram
sám o Padre Pero de Sancta

por todo o Arcebispado de
Cruz.

Evora , & pela Provincia de 3: Quatro meses gastàram Alentejo, por serem os casos

os dous Padres nesta missam, | quasi os mesmos, que nas ouFruyrò jnos quaes respondeo a feu con: tras miffoens tenho referido; Je fez na tinuò trabalho o grande fruyto | & recolhamonos ao Collegio

que se recolheo : concorriam de Evora, do qual tambem
os povos com grande vontade le partio perá Lisboa, pera

ouvir os Sermoés nas Igrejas, dahi se embarcat pera a mil-
& as doutrinas que lhes faziam sàm da India o seu primeyro
os Padres pelas ruas : acudindo Reytor o Padre Melchior Car-
às confiffoens, & communhoés,|| neyro', conforme contamos
& viole nesta materia tam no-

na primeyra o parte deltachto: 1.pol.3.C.20 tavelreformaçam, que muytos, nica; & he necessario apon+ ao menos cada mes se confer- tarmoslhe loceflor ;' & confes. savain , & commungavam, cou- fo que me nám custou pequela que havia tempos senam usa=|| no trabalho, tirar a limva, senam pela Coreima: fo-po quaes foram os Reytores ram muytos os odios, & dil. depois do Padre Melchior

Car

[ocr errors]

cidade de Elvas.

а

b

Anno de
Chrißio de

с

iores

Carneyro, & mayor foy o tra

mayor foy o tra-1/panheyros g trouxera de Coim-, Anno da balho por achar muycos ; quel bra(como diflemos na primey- Cēpanhia 1554

por lerem poucos; porque o P3 ra parce. Era este Padre facu- 15, dre Melchior Carneyro , con

ral da cidade do Porto; tinha 1.p.l. 3. ca. Dos Reyo forme minhas contas,começou | entrado no Collegio de Coim- 19.0,1

. focedèram leu Reycorado no anno de

bra em Abril de 1949. Era jà 40 P. Mel- 1551. & continuou até o de Theologo quando entrou na chior Car

1555.exclusivos porque se par-Companhia, & veyo a cotinuar neyro.

tio pera Lisboa ainda no anno em Evora a Theolegia com os
de 1954. a prepararse pera a outros companheyros ; & he
niissám ; & no de 15$6. foy boa prova de sua mufta prude-
Reytor de Evora o Padre Leàm cia,& grande virtude fer elle o
Henriques, como largamente escolhido entre todos pera su-
veremos;& com haver somente perior , & cabeça de seus con-
dous pera tres annos vagos en-discipulos, & de subditos de tā-
tre o Padre Melchior Carrey.tos talentos, como eram os que
ro,& o Padre Lcám Henriques, neste Collegio já floreciam,dos
acho com tudo que neste pour quaes muytos eram de mais
co tempo, houve emEvora qua annos de Religiam. Nam acho
tro Reytores, que forain o Pa-{memorias do

memorias do tempo, que conti-
dre Miguel de Barros, o Padre nuou no governo do Collegio,
Affonso Barreto, o Padre Mar nem me consta das causas , que
cos Iorge, & o Padre Cornelio houve pera durar tam pouco
Gomes:& he tam pouca a noti nesta occupaçam: sò consta ģ
cia que os nossos antigos nos em Mayo de 1555.jà governa-
deyxdram destas cousas,q nam va o Padre Marcos Jorge ; por-
sabemos ao certo as caulas qué i que temos humà carta pera o
houve,pera durarem tam pou- P.Gonçalo da Sylveyra, Prepo-
co estes Reytores no governo sito da casa de Sam Roque, em
daquelle Collegio; porém pera que se lhe escreve o locedido
que de todo senam perca a lé- naquelle mes, no Collegio de
brança de Religiolos de tanta Evora, & le diz nella ser escrita
edificaçam, aos quaes tanto de por commiffam do dito Padre
vemos, porey aqui brevemente Marcos lorge. Este Padre Mi-
o que delles pude tirar a lim-| |guel de Barros tevë entre nos a
po.

ultima, & mais grave profisMiguel de Ś Ao P. Melchior Car- | fám folemne, que chamamos Barrosse

neyro focedeo no Reytorado de quatro votos ; foy homem gūdo Rey de Evora o Padre Miguel de de muyta virtude , & de gran

Barros,que foy hum dos com de zelo das almas , & mor

[ocr errors]

tor de E. vora.

[blocks in formation]

Anno d.

ро

Evora.

[ocr errors]

Anro del

reo lanctamente em o Colle Xavier ( do qual faley na priChrito de gio de Braga.

meyra parte.) Este he aquelle, Copanka 1554 6 Menos conjeyturas te maráofinho sancto, assim cha-115.

mos pera affirmar em que ce-i mado na ribeyra de Lisboa, de 1.p.1.1.c.22 P. Affonso

The focedeo o Padre Affon- quem contamos, que se vestio & 1.3.c. 27.
Barretofoy
Reytor em

em trajos de moço de ganhar.
lo Barreto, & quanto durou no
Reytorado, tendo o Collegio pera com este fancto disfarce
de Évora sobejas rezoens per a ganhar almas, ik ensinar igno-
le honrar muyto de que em seus rantes:este finalmente he o que
principios tivesse por superior se fez moço de hum Sacerdote
leu hum varàm tam exemplar, || sensual, fazendose servo do

que
de vida tam sancta,& de proce-

era cativo do peccado , pera o dimento tam louvavel; & po

trazer a liberdade da graça.De dendo nòs tambem ter justiffi- || Evora veyo o Padre Affonso mas causas de sentimento dos Barreto a Coimbra , & d'ally a nossos Padres daquelle tempo Lisboa, aonde foy o segundo por nos deyxarem tam poucas, Reytor do Collegio de Sancto & tam confulas noticias de tam Antàm, focedendo no fim do illustre Reycor, porque

neste anno de 1556. ao muy insigne particular nam sabemos delle, || varàm Ignacio de Azevedo, que mais senam que foy o terceyro

tambem era natural do Porto, Reytor do Collégio de Evora, De sorte que o Collegio de Să& conforme minhas cõtas teve to Antam deve a esta nobilifpoucos meses de Reytorado,&fima cidade os seus primeyros d'ally no anno de 1555.. foydous Reytores ; & tambem o mandado a Coimbra a ser Mel Collegio de Evora lhe deve stre da quinta classe, nas escho- || dous dos primeyros Reytores, las menores; este he aquelle como foyo Padre Miguel de Affonlo Barreto de quem faço Barros, segūdo Reytor d'aquelmuy honrada , & muy devida le Collegio, & omelmo Padre

mençam na primeyra parte de- || Affonso Barreto que foy o ter-
1.0.1.7.cap. Ita d chronica)natural da cidade ceyro em numero, & a nenhum

do Porto, filho de Gaspar Barre- || segundo na virtude.
to, nobiliffimo cidadâm, irmam 8 Acho logo no quarto lu- P.Marcos
do Patriarcha Dom loàm Nugar nomeado por superior do lorge foyo
nes Barreto de quem falaremos Collegio ao Padre Marcos lor- quarto Rey
adiante) & do Padre Melchiorge,de cuja entrada na Compa- legio de
Nunes Barreto, luceflor na em nhia faley na primeyraf parte, 6 Evora.
presa da conversàm do lapam foy no anno de 1548. E node
do Padre Sam Francisco de 1555.em que tinha sete annos

1.pol.z.c.3 2. de

d

ultimo.

f

Hor.de Ar

Tantum

te.

Anna de de Religiam,por

lua muyta vir gente,era fruyto da fancta dou- Anno da Christo de tude foy preferido aos mais, & trina, pera a qual tinha o Padre Cīpanhia 1554 nemeado por superior do Col Marcos Iorge muyta graça , & 15.

legio de Evora. Foy homem de grande cabedal ; & em rezàm
grande zelo da falvaçam das al disto entregáram os superiores
mas,& em especial da boa cria delta Provincia ao mesmo Pa-
çam dos mininos;& á volta del-

dre a composiçam d'aquelle li-
les acudiam tambem os de ma vrinho de ouro, a que chama-
yor idade, com tam grande co mos Dourrina christă, ordenado
curso, que acho as palavras se com tam boa disposiçam, & co
guintes, em huma carta deste

tal clàreza, que os mysterios cempo escrita pelo Padre Frú

mais altos,& mais profundos de tuolo Andrè ao Padre Provin

nosla sancta fé Catholica, pode cial. A doutrina christă faz o P.. ser entendidos por mininos de Marcos lorge,vem a ella tanta gente

pouca idade, &

por

rusticos de que espanta, e me faz ter a desta menos capacidade: canto monierra em muyta conta,

pelo muyto cuy ta(como diz o outro sabiogen Series iume dado que tem de suas almas, porque cio)a boa ordem, nas cousas, & que proneste tempo depois da Paschoa, em ous- || a boa disposiçam nas materias, tras terras, mais se procuram com porque podem ser os pontos ģ mūmente passatempos, que ver ás dou fe tratam muy escuros , & com trinas, nesta seja o Senhor bemdito,

bom estylo podem ficar muy nam sefaz agora differença da Cores-claros;& pelo contrario se falca : confessase. , & communga misyta a disposiçam,logo sobeja a conem numero , nem me lembra que visse | fufam. Este livrinho, sendo tam tanta junta,pera cómmungar,como em pequeno no volume, he

muy hum Domingo destes, em que se encheo grande na estima. Foy o primeya sala grande, que chamam da Rainha; ro livro, que em Portugal lahio que nos serve de Igreja , àlem da que impresio por Religiosos da Cocommungou na miffa dos irmãos, companhia,& foy a melhor obra, ģ noutras mißas, &c. ?

neste particular tem sahido,del9 Esta carta fala no Padre le podemos dizer o que de HoMarcos Iorge,ainda antes de fer mero h disse o juizo do autor da vel. Pater

Reytor, quando os nossos Pa historia Romana ; que sendo o ante meten P.Marcos dres,nam tendo ainda tomado primeyro que compoz poefia, quem ill Torge foy posse do Collegio, habitavam

nem teve a quem imitar", nem nequc po muyappli em algumas casas dos paços houvé quem o imitaffe. zer dou: delRey;& bem se deyxa enten

Efte Padre Marcos fer, inuétu der do conteudo nella, que Iorge foy o primeyro Lente de esta devaçam, & concurso dal Casos,que houve neste Colle

gio

h

[ocr errors][merged small]

iliu , qui e imitari po

de

10

eft.

trinas

;

Ee 4

Ann da Cristo de

cia do P. Marcos

II

lio Gomes

Afrodi gio de Evora;leo Philofophia, 8c ||nias da honra tambem tem as Theologia com muyto louvor, memorias da morte : de forte 9

Coraribia 1551 & fe agraduou.Dcutor no melelte bom Padre, sendo vivo en- / 15.

mo Collegio de Evora, a (inou aos mininos com a cartiDále al- quem tinha bem servido, antes lha, & sendo morto ensina aos gūa n012

de haver Vniversidade · Na Doutores com a sepultura . Do
quarta congregaçam Provincial

Padre Marcos lorge tambem
Torge. que le ajuntou em o Collegio de faço mençam na primeyra par- 1.p.1.2.ca.

Coi:nbia,em 17.de Ianeyro do te,no anno de 1548. em que' | 32.n.s.
anno de 1571. lendo Provin entrou na Companhia.
cial o Padre Iorge Serrám, foy

No quinto lugar fero-|.. Corne-
eleyto por Procurador pera hir ta no Cathalogo dos superiores (foy oquin.
a Roma o Padre Doutor Mar o Padre Cornelio Gomes, do Reylor
cos lorge ; & vindo de Roma, qual tenho falado no capitalo femEvora.
faleceo aqui em Evora sancta- quinto, o qual governou com
mente em 10.dias de Dezem muyto exemplo, & consolaçam
bro de 1971. tendo quasi 24. dos subditos, & veyo a morrer
annos da Companhia, que todos cheyo de merecimentos, gran-
galtou em serviço de Deos, ho-geados em tantas navegaçoés,
rando a Religiam că suas muy-

& em tantos perigos, que

levou
tas letras , & ajudando aos pro-por màres,& por terras, pelo bē
ximos com seu grāde zelo . El das almas, & conversám dos
tâ sepultado na Igreja velha, g gentios.
hoje serve de falla dos autos da

Estas foram as memo.
Vniversidade,em huma cova | rias que pude tirar a limpo dos
le abrio ao pé da janella,que ca superiores,que houve no Colle-
he sobre o pateo. Que nam ca gio de Evora,depois do primey.
rece de mysterio, que na falla ro Reytor Melchior Carneyro,
em que se fazem os autos pera do anno de 1554. aré o de
os doutoramentos, ficaffe fepul- 1556.cm que entrou a ser Rey-
tado este insigne Doutor, Mel tor o Padre Leám Henriques,
tre,& autor da doutrina christā, o qual nos darà mais lar-
porque d'aquella cova,como de

ga materia pera esta
melhor cadeyra
, parece que el-

historia.
tà ensinando aos que se prepâ-
ram para ser Doutores, que se
lembrem, que suas borlas brā-
cas,ham de hir parar em còvas
escuras;& que faybam que no
lugar aondé recebem as insig-

CA

I 2

« AnteriorContinuar »