Imagens das páginas
PDF
ePub
[ocr errors]

II

Onrado Viforrey,pa Infanie.
rečeme que
devo co-

Luis mur:

. Anno de ftis finco naos as quairo che

Anno da Chresto de gáram a falvamento à India, po CARTA,Q VE O Copanhia 1555. rèm a nao Algaravia a nova

Serenissimo Infante D.

16??! fez hum lastimoso naufragio, ĝ pede por fy capitulo particular, Luis por sua màm ef pelo muyto que os nossos tres

creveo ao Visorrey da
Padres nelle padeceram, como

India Dom Pedro
logo contarey
Mas nam he bem que

Mascarer has
nos esqueçamos de huma car-

Caria de ta, que nesta occafiam da partida destes doze religiolos nolsos escreveo o serenissimo Infa

meçar esta minha 10 arilada te Dom Luis à India ao Visor

carta por boas novas, rey Dom Pedro Mascarenhas, pera que ordene nofjo Senhor, que a grande seu amigo,a qual achey reposta della as traga de vós , & defentre outros papeis , no carto las partes, tam boas como eu desejo. O rio de Coimbra, que estimey Reyno de Inglaterra he tornado á Fe por huma joya preciosislima, & de nosso Senhor, & à obediencia da se me persuadi a escrevela aqui Apoftolica; y donde ha tam poucos toda por inteyro, por ser escrita dras, que os Catholicos eram morros, neste ultimo anno de sua fancta Co mal tratados , agora se queymam vida, a quem todos os da Com publicamente os hereges; oparticular panhia devemos tam cordeaes difto sabereis por outras cartas . Fez lembranças,& affectuosas obri Deos esta maravilha, y ajuntou esta gaçoens,& por ser muyto pera

boa ventura à fortuna do Emperaouvir, pelo grande aviso, com dor, pois veyo a ter parte nella o Prinque nella.falando com o Visor cepe seu filho, que tem ajudado em todo rey,mete o paço com o espiri este negoceo, muy valerosa, catholica, to,& amoestaçoens de amigo, & prudentemente , pera que se veqa pera

sua cautela,com conselhos quanto mais val a graça divina, que o de sancto pera seu provey

poder humano;o que o Emperador com to ; a carta palavra por feus exercitos nam pode fazer em tan. palavia he a few

tos annos em algua parte de Alemaguinte.

nha, fez agora Deos em menos de his (...)

anno por meyo de huma molher, metida em hum canto por catholica, & de hum Cardeal desterrado do Reyno por a mesma causa, porque eftefoy a quem se deo a obediencia em nome do Papa.

E certo

nella

[ocr errors]

Ammo de. É certo que he cousa digna de ser con encontrar,& extirpar os vicios;@co Anno da

Cípanna 1558: no prostrada diante da Rainhada reynań, o porém está força ha de ser 16.

Cardeal,que em outros tempos temtam mais de exemplo, que de leys, porque
de ser nomeados, na mesma "terra. Il este he o modo que Christo teve nieste
Nam caybo em mim de prazer de com mundo porque deo ley muy branda, et
fiderar esta obra de Deos noßo Senhor exemplos muy rigorosos. Depois que

de ver a confusám que daquife fe- \parristes.defte Reyno se começou a mur-
gue a estes malaventurados hereges. murar por esta terra, que ufavers de

13 Assegundas novas fam que mayor abastança em vossa mesa, todas as que atégora vem por via de 11 mars'arilamento em vossos trajos do Ž Levante affirmam , que as cousas de convinha pera este exemplo, que assima Bacorà effam pacificas ; & que nem digo; poftoque eu dou a isto as faem Suez, nem em outra algúa parte lhás que se devem dar às cousas que de]]as se fabrica armada corra as par le dizem dos absentes, pareceome que tes da India,o que foy parte de sua Al- || Senam perdia em volo escrever , porque reza nam mandar gente á India , por veters desta parte, como de cousa a que lhe parecer que convinha mais o cabe || cendes wütural inclinaçam a que dal ser bom que a gente muyta. Suas 11 esta terra também a remote ke rotal Alrezas, ao presente ficam bem dif | deftruiçam dos que a ella vam. E quã. postos, Deos seja muyto louvado, y en do vos ex ifto escrevo sobre andar a assım o fico agora , poftoque rive algus buscar tachas vosas,pera vos 'efc-ever mas enfermidades ; & fico com muy (porque este deve ser o officio dos amigrandes desejos de saber de voffa gos)louvo muyto a noso Senhor de as chegada a ellas partes, que espero em paßar cam depreffa,como as terras de nosso Senhor

serà pera tanto seu servia | Arelhano, que mostrando as que eram ço,como merece o zelo com que romal | suas perguntandolhe quaes eram,dißes tes efja empreza: este deve ser hum ya quedan atrás. grande remedio dos trabalhos que nel is Sua Alreza vós manda ella nam podem deyxar de fer-vos offere- te anno doze Padres da Companha Fälà fobre cer, os quaes en espero de serem de de IESV, que sam pera converter 0

os nojjos

missionat muita honra voşa neste mundo, & glow , mundo, @z certo que os deveis mais de

eftimar que mujra gente de guerra; 14 Fazervos lembranças para affirmovos

, que en em muyco o tenho, ticulares pareceme escusado, porque as y muyto me alegro de ver em voflo de tam longe ham de passar tantos cli- | tempao que ainda nam vi. Namme mas,que pode muy bem fer, que nelles acordo que visse hir pera « India doze mudem a sustancia. O que em toda a homens juntos, de quem se presumise parte ferve, neßa muyto mais he ter provavelmente que hiam sem cobiça, o muyco mimno favor das virtudes; eo I i que destes presumo. As cousas da Re

ligiàm

rios.

ria no outro.

igual

с

n.17. Cumque oraflet

[ocr errors]

d

Anne de
Jigiam por escusado tenho encomendar-

17 Esta he
a carta,

Anno da Chrifto de volas, 'nem menos as da obrigaçam de mente sancta,& cortefam do fe- Copanhia 1555. vosso cargo,que muy bem scy o cuydado renissimo Infante Dom Luis (4 16.,

I que

haveis de ter de tudo. O que vos confeflo quando a li,nam pùde encomendo he,que vos esforceis , y a reter as lagrimas, lembrandonimeis muyto,pera os trabalhos

, em ef me deste,

& de outros semelhapecial os que vos ham de dar os reque

tes Princepes, que teve, & que
rimentos de vossos amigos, porã esse he perdeo Portugal) a qual me pa-

hum dos grandes, que ha nessas partes, receo pòr.aqui pera modelo, &
porèm tudo vos parecerá pouco, se vor exemplar de cartas avisadas; pe-
des quanto mais os trabalhos que to.

ra que os Princepes tenham mardes fazem por vás, que contra vás. nella que aprender cortesia , & 4. Reg.c.6.à Quando o exercito de Syrıc C cercon os Religiolos,que admirar pieo lugar em que estava Eliseo, o seu mo

dade. Porèm quando esta carta Élileus ait, ço quando pela menhā vioo seu lugar chegou á India jà achou morperi oculos codo cercado do grande exercito

, tevese

100 V forrey Dom Pedro Mafhuus, ve vi- por perdedo; pedio Eliseo a Deos que carenhas,da maneyra que jàco deb apels the abriße os olhos, & logo vio os mom tey.d Agora continúemos com 2.p.1.5.c.sa oculos pue- res cheyos de carros de fogo, que esta a navegaçam dos doze Religioecce mons vam em sua ajudajentam ficou seguro. sos,& veremos, ainda que de los plenus equo os homens que puzerem os olhos nos ge, o lastimoso naufragio em g ruum igne-| trabalhos da vida, nam podem deyxar tres delles perecèram. quitu Elifei

, de se espantar muyto de se verem cerca

dos delles, mas se puzerem os olhos nos CAPITULO XI.
montes altos da mifericordia de Deos,
o nos merecementos

de fem umgenico Do lastimofo naufragio da nao
filho, que estam em noflo favor ; nam

Conceyçam,em que hiam
que temer, & seguramente abrașam
a sua cruz pera o seguir. Eu espero tres Padres desta
em sua infinda bondade em tudo vos de

missám.
graça,pera que assim o façaes,confor-
me ko zelo que tendes de fua gloria,&

Am ha cousa mais
serviço.

pesada de levar, & 16' E pera que a carta acabe

horrivel pera teem boas novas, como começou, Dona

mer , do ga morElena voßa molher fica muy bem, pra

te, como bem disle o Philofo- Arift.1.3. E. zerà a Deos nosso Senhor,que assim a pho,-&ainda melhor nos ensina nium rerum achareis,quando vierdes , elle vos te a experiêcia; porém com boa linha em sua sancta goarda. De Lisboa a çēça do Philosopho, & da melu nihil afer1 3.de Março de 1555.

ma experiêcia, o medo da mor

11,& vidit, &

&c,

1

[ocr errors]

nihil, morte terribilius.

bius.

te

[ocr errors]

16.

Nam ha

ipre belli.

&c.

с
Sen. Ep:st.
ad Luc.

[ocr errors][merged small]
[ocr errors]

Ammo de te ainda parece que he peor ável, que hum miseravel naufra: Anno, da
Chrifto de a mesma morte, como da guer-gio, quando hindo os paslagey. Cipanhia
1585. ra diz o proverbio, :4 he peorros mais descuydados, entregues
Seneca in o medo da guerra imaginada, a liberdade das ondas, se vem de
Hyert. trag: que experimentada;& 4 rezam improviso aflalceados de huma

cousa mais belio timor disto, he, porque a morte leva: horrenda tempestade, oy de al: horrenda q

da em realidade, nunca he mais gum repentino çufam, no qual bum nauque huma sô; se morrer humaos àres,& os mares, os rayos , & fragio

. so vez he dita,como disse Sene: os coriscos, & o mundo todo ca. Felix una morseft,mas a mor: parece que se conjura , & conlte imaginada na imaginativa || pira em perdiçam dos crites par. repetiçam de medos, he navegantes,obrigandoos com a morte muycas vezes repezida. furia do temporal a dar com a Este entre outros males traz co nao atravèz, & a desfazela em ligo o naufragio, porque quan: rachas,entre infames cachopos. ças ondas confpiram contra 4 A vista de tam lamentavel lucembarcaçam, tantas mortes be: ceffo, & de tantas representabe o naufragance:& por isso he coens de morte deseltrada, le peor castigo a morte muyras 1 podem chamar tres & quatro vezes temida, que huma só vez vezes bemaventurados os que

fofrida,como bem diffe $. Hier | morreram à força do ferro vio-
D.Hier: bit. Tronymo, d & em consequencia y lento em terra,& nam entre as
Gen.c. 4. n. desta verdade, diz o mesmo Sã.ondas furiosas no mâr irado;
grauior e cto, que merecedo Caim muy porque aquelles morrem huma
expectata, cas mortes pela que deo a seu só vez,& acabam depressa, co-

irmam Abel, lhe poz Deos hű mo dizia Epaminondas, porè.n Apophth.
Ginal pera o nam matarem, & & las que acabamem algum nau-
diz que isto maiş soy lanço de | fragio quantas ondas os pam
justiça, que effeyto de miseri: | matam,tantas lhe dilatam a vi.
cordia, porque ainda que o nam da,pera os matar com a mesma
quiz matar, deyxoulhe medo vida, que pera elles he morte
conţiqùo pera que cuydaffe @prolongada.
codos o queriam macar ; & lan 3 Aqui hey de contar hű
çadas bem as contas,mayor ça: lastipolo naufragia do numero
(tigo era o medo da morte re. ldaquelles, com que os nollas
petida muytas vezes na imagi?! Portugueses fizeram celebre o
naçam, que padeçıda hama se már Occeano: & porque Diogo Cour. Dec.
vez por effeyto.

de Couto na sua feptima De:
2

Nam ha em toda a na: cada , & Francisco de Andratureza espectaculo mais horri-Ilda na vida del Rey Do lomo

d

Plutarc. in

mors.

Epaminoto

[ocr errors]

f

cou

7.lib.2.c.7.

[ocr errors]

Andrad.4.p

2

cap.t18.

tocan

novo,

de que

que houve

[ocr errors]

Anino de tocam brevemente, & elle tem , clara vista de sua manifesta per- Anno da Christo de

muyto que contar pelo que nos dicam,vendose acabar con hũ Cēpanha 1555. pertence por rezàm dos nossos

& miseravel naufragio,'|16. tres Padres, que nelle acabà pois le viam perecer na terra, ram, o quero aqui referir mais estãdo todos cercados de agoa. por extenso.

Descobriram huma coroa de a4 Das sinco naos, rea muyto pequena, que achaOccafiam

faley no capitulo paslado, as ram ser ilheta, que coni hum tipera se per quatro lançàram ferro em Goa,

ro de pedra se podia passar de der ella porèm a nao Conceyçam, cha már a már,junto da qual se ti

mada Algaravia a nova,da qual | nha a nao assentado.
era Capitâm Francisco Nobre

5 E pera nam deyxarem
(em que hiam os nossos tres re de acudir com todos os reme-
ligiosos,o Padre André Göçal- || dios , tentaram se primeyro os remedios
ves,o Padre Pascoal,& o Irmàm

meyos poffiveis,pera ver se po de g usáAffonso Lopez) tomou a derrò.

diam aliviar a nao de maneyra

ram pera

Ve salvare. ta por fóra da ilha de S. Lourē. que podesse tornar a surgir, corço, & hindo demādar Cochim,

taramlhe o malto grande, alijànavegando em distīcia de qui ram todo o convêz, baldeáram nhentas legoas da costa da In as fazendas ao mar , goarnecé. dia;em vinte & dous do mes de ram bombas,& gamòres de noAgosto de 1555. de noyte tres vo, vendo le podiam vencer a horas antemenhā , hindo co as agoa, que já lhe entrava, como vèlas soltas,ou por culpa do Pi traydora, pelo couce da quilha, loto,ou por descuydo do Mel que logo lhe arrebentou por tre , ou por desgraça de todos algũas partes, com a pancada ģ (porque ninguem quer atribuir | deo,quando fe affentou sobre o a sy os casos adverlos) o certo bayxo. Outros co toda a presla he, que foy a nao fubitamente no meyo desta confusám, tratadar em huma restinga de area, vam de lançar espias ao mar , anos bayxos a chamam de Pero hustando calabrotes , & viradodos Banhos, que estam em altu res, pera ver se podiam com o ra de sete graos do Sul, ficando cabrestante darlhe ainda algú logo em seco, & a gente certa revòque . Porèm vendo quero do perigo,incerta do lugar aon dos estes meyos eram baldados, de estavam, brádando a Deos se vieram finalmente a resolver misericordia;& acrescentando que nenhum remedio humano se o terror do caso, com a escu- | havia , pera a nao escapar daridade da noyte , atè que escla-! quelle bayxo. Tratáram logo recendo a menhã tiveram mais de sahir em terra, que pera elles

a

era

« AnteriorContinuar »