Imagens das páginas
PDF
ePub

Anno de

Anno ila suas gloriosas façanhas vasse os louvores, que o mance

porque Chrifto de teràm ao diante campo mais di- bo lhe dava da Companhia , di- Capanhia 1556. lacado.

zialhe que lhe nam contentava 17. 2 Começou sua vida Bal

tanto, porque nam deyxavarnos thezar Barreyra estudando na a nossos religiofos falar cõ seus Vniversidade de Coimbra , & parentes (cam pouco delapega. vindo ter hūas ferias , em Lil do andava ainda dos homens, boa,entrou em casa de seu pay, quem cuydava que vinha bure hum fidalgo que hia pera o Pe car a Deos )a efta instancia lhe iù,o qual disse tantos louvores respondeo logo o mancebo co daquellas terras, que se resolveo || aquellas divinas palavras do EBalthezar Barreyra a deyxar os vangelho”. Qui non odit pairem, Mat. c. 26. textos, em que andava occupa matrem,non poteft meus effe difcipulus: 141. do, pelos grandes desejos, emg & tanto que as diffe , o deyxcu entrou,de ver terras,& alcançar com bastante fundamento pera riquezas. Chegou a Sevilha,a- cuydar,que era Anjo;quem lhe de em hű lermàm que ally ou dava conselhos tam Angelicos. vio, se resolveo em deyxar a pra 4 Mas nem ainda fe acata das Indias pela pobreza do bava de resolver de entrar na Evangelho:voltou logo a Por Companhia; porque lhe contētugal mais rico; por vir reloluto tava mais a pobreza do habito a fer pobre. Neste caminho(co em Sam Francisco, que o odio forme nos consta pelo que

elle dos parentes na Companhia. mesmo contou ao Padre Ma Resolveose com tudo de entrar noel Alvres seu companheyro, em huma daquellas duas reliem Guinè,& seu grande amigo gioés, & que seria na emỹ priem o Senhor, o qual o deyxou meyro o recebeflem. Vayse a Como Deos elcrito,em hú livro de màm,em Coimbra (cuydándo seus pays o trouxe à que faz hűa descripçam geo que tornava a continuar o estu- Copanhia graphica de Guiné.)

do)foy logo pedir o habito a S. the 3 Neste caminho, pois, Francisco: mas ordenou Deos rocedeo no

contava o Padre, que desempa as cousas de maneyra, que hincaminho

rado do mesm) homem, que o do muytas vezes ao mosteyro pera Lif.

acompanhava, encontrou com da ponte com esta pertençam,
hum mancebo, que se lhe poz a nunca nelle achou o Padre Co
dizer grandes bens da Compa miffario: foyse entam ao nosso
nhia:mas nam vinha ainda Bal-|| Collegio, no qual era Reytor o
thezar Barreyra , tam fòra do Padre Leam Henriquez, & la
mundo, quando dizia

go da primeyra vez achou o P.
Inba fugindo, que de todo apro Provincial Miguel de Torres,

que

o que

boa.

que o vi.

Luc. e. 14

Anno de

que o recebeo de muy boa võ-ijtrando a visitalo o Mettre dos Anno da Chrifto decade ; porque quando Deos he moviços, lhe përgan cou(confor- Copanhia 1556 autór da vocaçam facilica os me feu costume ) como estava? 17.

mejos, & desfaz as difficulda- | confrangeose o apostado exer-
des.

citante,& refpondeo com as pa-
§ Recebido na Cõpanhialavras de Christo a seus difcipu-
Balthezar Barreyra, logo na pri- I los.a Spiritus quidem proprús eft, caro
meyra provaçani deo moftras | autem infirma: nam entendeo lo- n.26.
de leu espirito fer de prova: to-go o Padre o segredo da repol-
mou os exercicios de noffo glo- ta; porém porque lhe pareceo,
riofo Padre S.Ignacio, com grā- ll que nam carecia de mysterio,
de aproveyrainēto de sua alma: The tornou a dizer, que le de-
& quando elle mais cuydadoso clarasse mais:entam se explicou
andava nesta fãcta occupaçam, may bem o noviço, dizendo, ģ
le descuydou o noviçó, que ti o corpo por nam comer aquel-
nha a leu cargo levarlhe: 8 the les tres dias estava fraco, porèn
ceffario, por feater a outro (co- que o espirito com a graça divi-
rivo por vezes tem succedido a la estava tam animado, ĝ nam
noviços, que ainda que fan os tornaria atraz no caminho co-
mais modestos, nam costumamineçado, ainda que lhe sucedes-
fer os mais cuydadofosi) Eftero se morrer å puta fome:& dizen-
deyxou tres dias integros femdo isto nám pode o noviço re-

comer bocado : & poftoque a ter as lagrimas, que a devaçam,
Elleve tres
dias sem

fome a todos he muýto rwich del & por ventura que tambem à
comer por

levar, muyto mais infofriwil pa-| fome lhe causava. Muy edifica-
descuydo. rece aos que nam sam mutien-| dos ficaram os presentes, ouvin-

erados na idade,& acosturados do femelhante resoluçam, ajui-
a penitencias: esperow Balche- | zando todos,que hūa paciencia
zarBarreyra o primeyrolíazatè tain generosa, em cam breve's
a noyte (que nam deva levardias de religiam,demandava ao
muy conlolada)esperoyo lega- dlante grandes progreslos na
do;&cötinuou o terceyodia, s || virtade.
por mais q a fome:ladava, elle || :** Nem se enganaram es-
muy. pacience calava, som pro tas boas promeslas;& tam bem
pofico de sofrer aquela penia, fundadas esperaças, porque este
le lhe dava a calo, čudando el foy aquelle Padre Balthezar
te que vinha muy di cuydado; Barreyra, digno com rezàin de
em rezâm de fer alama expez fer contado entre os mais bene-
riencia da religiam

meritos sogeytos desta Provin-
1.6 Depois dos res dias, etia cia de Portugal:este he aquelle

illosa

[ocr errors]

Fff 4

1

dado ao

, Anno da chrito de celebrado nesta Provincia, pe- ter Gėrios, & de fartar a fede de Cepambua 1556. los grandes serviços, que fez a salvar as almas, porque o man- 17.

Deos nosso Senhor, & pelos in- dáram ao Reyno de Angola,em
numeraveis trabalhos , que pa- | Companhia do muy celebra-Foyman :
deceo em Angola, em Cabo- | do,& valente Portugues Paulos
verde, na Serra Leoa , & em to Dias de Novaes, que foy neto Angola

.

Reyno de da a còsta de Africa, que vay || (como consta da provisam real correndo por muyta parte da que tenho em meu poder , palquella Ethiopia inferior. sada por elRey Dom Sebastian

no anno de 1971.) daquelle CAPITVLO XXVII. famoso descubridor do Cabo

de boa esperança Bertholameo He escolhido o P. Baltbezar Dias de Novaes.

: 2 As milagrosas obras, que Barreyra pera hır à missàm

em Angola fez o Padre Balchede Angola,com o Governador

zar Barreyra , & as prodigiolas Paulos Dias de Novaes.;-victorias, ģ ally alcāçou aquelSe noticia daquellas

le admiravel capitâm, deman

dam hum grande volume, poré terras.

porque atrėgora nam andam im

présfas em nosso vulgar , & eu cabado o tempe aqui.me encontro com o Padre do noviciado co- Balihezar Barreyra,me pareceo tinuou Balthezar referir algūas breviffimamente,

Barreyra com gra- poisem todas elle teve tanta de edificaçam, crescêdo sempre party&pera iflo quero primey. nelleos delejos de servir a Deos ro,cara mesma brevidade dar das misloés da Copanhia,& nas | algűanoticia desta monarchia partes mais remõtadas de Por

Angoina, que ainda que a al-
tugal,aonde vivesse mais unido

guns paeça menos nova , posto
com Deos,& mais apartado de assegura que nam será a me-
seus parentes,que dātes amava, nos certa & nos servirâ muyto
como homem, & jâ avorrecia pera comecimento dos bautif-
como religioso:que estas mudá mos,que bz o Padre Balthezar
ças causa a religiam naquelles, Barreyra, & das victorias que
que de proposito seguem a bā- || alcançou ulos dias de No-
deyra de Christo. Offereceofe-
lihé hũa boa occaliam , em que

3. Prineyramente a mo-
podesle dar â execuçam feus narchia de Angola está na nova

I

[ocr errors]

vaes.

Sitio do

Ethiopia, Norte Sul, entre o cia dos outros, lucedeo, que hú
Reyno de Congo, & o de Ben-||delles herdando o senhorio do
guela; Leste Oeste cõ Pernam outro, ficou tam poderoso, que
buco, na còlta do Brazil, quali começou a conquistar seus vi-

nove graos de altura do pòlosinhos,cõ ajuda dos Portugues
Reyno de
Angola.

Austral, debayxo da zona toro || ses,que de Congo hiam a luas
rida. E nem por isso deyxam a terras ao relgate dos elcravos:
quellas terras de ser muyto ha- ||este Rey le chamama Angola
bicadas ; antes postoque os lu- lenène, que quer dizer o grāde
gares maritimos de Angola, via Angola,o qual appellido foram
linhos ao Coanza, por serem conservando os mais, que The
a paulados, sejam doentios, com lucedêram no Reyno (da ma-
cudo o mais do Reyno bē pelo negra que de hum Prolomeo,
ferràm détro,gosa de ares sauda os de mais Reys do Egypto le
veis; & temperados, de fermosas chamaram Ptolomeos)& daqui
fontes,& ribeyras fresquissimas; tomaram occasiam os Portu-
& geralmente sam aquellas ter- gueses de chanar Angola a
ras ferteis,& abundantes,fenam estes senhorios.
he nas partes aonde estam as Ŝ Por via dos nossos Por-
minas de prata, que pera tudo o tugueses, que já estavam emCó- Primêyrå
nais fam esterilissimas

, como le go, houve em Portugal noticia policia a natureza ally meceffe todo deste Rey,de suas terras , & das

cousas de seu cabedal jūto, pera sahir em minas de prata, 6 ally ha, cujas Angold. suas entranhas coin hum parto primeyras moftras consagrou á tam precioso, & por islo se def-Deos el Rey Dom Henriquè, cuydaffe,ou esquecelle de pro- | maridando fazer hum calix, &

duzir codos os inais, fruytos, :: nam se tem continuado neste Nome de

4 Nam se chama esta ter- || descubrimento, pela resistencias Angola. ra Angola(como entre nos cor- que a isso fazê os naturaes, per

re)más consta de muytos como Suadidos, que descubertas estas
Reynos, cujos naturaes por no- minas, nós lhe apanharemos a
me commum se chamam Am- || prata , & elles perderàm as ter-
bundos , & tem seus Reys, ouras. Houve tambem occasiam
Regulos, que le dizê Sobas, que perá o Rey Angola Inéne ter
eram mais de letecētos & trint (algum conhecimento da fé de
ta, cujas povoaçoens, & fepho Christo; & com estes intentos
rios; se chamain Morindas : & | | por elle aslım o pedir,lhe foram
tendo antigamente cada hum mandados, por duas vezes, de
destes Regulos jurdiçar sobre Sancto Thome alguns facerdo-
leus vafallos, lem dependen: 'tes,& entre elles hum religiosu

da

houve das

[ocr errors]
[ocr errors]

dores,

da muy esclarecida Ordem do xador,& aos Padres da Compa-
gloriolo Padre Sam Beroardo: nhia, tomando toda a fazenda
porèn (como o tempo depois aos Portugueses,nam permitin-
trostrou)mais pertendia o An do;que sahifíem de seu Reyno,
gola o comercio de Portugal, 6 & neste modo de cativeyro
o bautismo deChristam,atê que morrêram muytos d'elles , &
finalmente eftes sacerdotes, sem dous Padres da Copanhia dos
cffeyto alguin,ou morreram,ou quatro, que levou cõligo o em-
se tornaram a Portugal. bayxador.

6 Porèrn vendo o Rey, ģ 7' Passados seis annos per-
The faltava o comercio com os mitio efte Rey ao embayxador
Portugueses(porque o interesse || tornasse a Portugal, deyxãdo Torna o
era o Deos, s governava a estes

lá ainda dous Padres, como em Rey de AnReys,& ainda agora por noslos refés, dando grandes desculpas gola a pepeccados, predomina em alguns do sucedido,& prometendo a el dir Prèza. Princepes Christãos)cuydando Rey de Portugal, que se bauti. que ceslava , pór nam ter em zaria com todo o seu Reyno,& luas terrras sacerdotes,como dã entregaria as minas de prara, ģ tes, os mandou pedir por seus ally tinha. Postoque em Portuembayxadores a elRey Dom Igal se entendeo, que o Angola Ioám o Terceyro, affirmando, fazia isto fingidamente,com tuque se queria baucizar; quando do como la tinha em refens os esta embayxada chegou a Por dous padres da Companhia ; &

tugal jà governava a Rainha a piedade dos Reys de Portugal Primeyra. Dona Catherina,à qual lhe mā era muy grande, juntandose a Cópanhia dou(como adiante se contarà, isto a certeza das minas de

prapira An- no anno de 1560. quatro Pa ta,& outros metaes, que ally hagola.

dires da Companhia, & com el via , paréceo a elRey D. Seballes por embàyxador a Paulos tiam mandar de novo a esta coDias de Novaes : chegando quista espiritual algās Padres da rodos a Angola, junto ao rio Companhia, & hum Capitâm Coanza, fouberam dos : mo mòr, ou Governador,com gente radores da terra que era jà fale de armas,pera podesem resicido o Rey Angola Inêne, & ý ftir às insolēcias daquelles barem leu lugar governava Dambi baros, & ajudalos no bé de sua Angola , o qual ao principio | falvaçam;pera isto escolheo ao mostrou bom gasalhado ao em-mesmo Paulos Dias de Novaes, bayxador,& aos Padres : porém cão qual se embarcou tabě o p. dahi a pouco arrebatado da co Balthazar Barreyra, cố o fucel biça,inãdou prender ao embay-! so ĝ veremos no capit. Teguinte. !

C A

missáinda

« AnteriorContinuar »