Imagens das páginas
PDF
ePub

;8

Clirija de varam , nos primeiros tempos, tam lacisteito da virtude, & ca

Cēpanhia 1553 coin o Padre Luis Gouçalves, pacidade do P. Luis Gonçalves, • 14.

& foy, que depois de 0 rece que logo se quiz ajudar de seu Experien, ber, & festejar, no primeiro governo, fazendoo fuperior da

Grade fa.

tisfaçarn, na 20 fez cncontro de sua chegada; d'ahi

casa professa de Roma, no qual la reve s. #9 P. Luis | por diante, por espaço de tres cargo se houve com tanto exé- lignacio do Göçalves. nefes, Ihe nam fallou, nem: plo, com tal prudencia,

tratou com elle coulà, alguma, estremado zelo da obfervancia çalves.
antes :9 provou com peniten: |das regras,&edificaçam dos nol-
cias, &graves morțificaçoens; les , que o mandou por Visi-
como foy; entre outras, de o fa cador a Portugal, como vere-
zer huma vez estar ein civqulo mos adiante, no anno de 1556.
lere horas da noite , fempre em & na congregaçam géral, que
pè,& em Hlencio.

d'ahi a pouco se celebrou,foy e
8. Porém achandoo fa- leito por Amistente do segundo
nalmente perfeito Religiofo, & Preposito geral de coffa Com-
tanr bem provado , fez d'elle panhia, como veremos em fer

particular confiança d'aly. por lugar. Teve o P. diante, admitindoo a huma fa :9 E nòs por agora deixe Luis Göçal wiliaridade tam continua, tam mos ao P. Luis Gonçalves lo

fancta, & secreta, que cada dia, grando por hum pouco os mui-
trao s.
Ignacio.

a cercas horas, se recolhia com tos favores, que lhe fazia o nof-
elle a tratar de cousas do céo; | foglorioso Patriarcha, porque o
& aqui téve o Padre Luis Gon mais de sua vida diremos adian-
çalves excellentes occasioens, te,quando o trouxermos deko-
pera tomar particular noticia, ma por Visitador a Portugal:
& conhecimentos muy inteyros, agora fallaremos no Padre Jero-
da admiravel vida do sancto nymo Nadal, que S.Ignacio mã
Patriarcha; do modo que Deos dou por Commissario geral a es
tivera em o reger, & encami ta Provincia, pera nella publi-
nhar, atè o chegar a fundar a car as Constituiçoens, que tinha
Companhia ; dos carceres , & feito, pera governo de to-
perseguiçoens , que padecera;

da a Compa-
das peregrinaçoens, que fizera,

nhia.
& de tudo o mais , que os devo-
tiffimos Princepes deste Reyno
desejavam saber,aos quaes muy
em particular avisava o Padre
Luis Gonçalves. Deste tam-in-
timo trato ficou noslo sancto P.

tes intimo

(?)

1

& Cēpanhia ; porque 14.

tertius.

e

a tenebr.s.

[ocr errors]

I

Christo de

lançar do mundo trevas 1553.

defterrar escuridades ; porque CAPITVLO XIV.

de outra maneira namn pode

ria haver distinçam do dia, Como neste ano de 1553;

& da noyte, divisam das tre

vas, & da luz ;: sendo af-
se publicàram por ordem de fim que a Escritura d testi - Gen.c.xin.
fancto Ignacio no Collegio de fica, que houve tres dias 23. Et factu

est vespere,
Sancto Antam as constituiço-

distintos ( antes do quarto, & manecies

em que o Sol foy criado ) &
ens da Companhia;& do gran- que Deos e dividio a luz das Gen.1. 04.
de contentamento
, que mostrou trevas.

Da mesma maneira,
elRey de as ver; dasse del

antes de nosso glorioso Padre,
las buna breve no como hum Sol vivo , espalhar
ticia.

pelo mundo os fermosos ra-
yos de suas fanctas Consti-

tuiçoens , nam estava a Com-
Aquelles primei-i panhia is escuras, porque tam-
ros dias da criaçã bem havia luz de
do mundo, antes di que nam tam resplandecen-

de Deos criar o ce : governavamse pelas or-
Solla he o Princepe dos Plane Jens', pelas leys, & pelas car-

tas, &, como diz S. Ambrosio a; todas de húm mesmo espiexam.lib.1. he o olho do mūdo todo,alegria rito, que o sancto Padre man

do dia , & graça da natureza) dava de Roma pelas Provin

oain estava o mundo as escuras, cias , que já entam pelo munCopanhia, havia huma luz,da mesma efpe- do tinha a Companhia , dan antes de ha cie que a do Sol na lubstan dolhes a forma, & o estylo, ver Consicia, mas muito differente nos por onde se haviam de govertuiçoens.

b accidentes , a qual ou era hu- nar, que fempre na substancia Ita Alen 1.2.

ma nuvem resplandecente, co foy a mesma , que hoje guardap.9.4.mebr.5. a. I.

b muitos autores; Bonau.in 2. dist. 13. ',1.

ou era huma luz immediata 3 Porém no anno de mil, 9.1.& alij. mente produzida de Deos , co

Como sahi & quinhentos, & fincoenta , &

ram ascā. Bafil. Theo- mo mais provavelmente sen

tres, em que agora himos nesta

Nituiçoens do.& alijci

cem outros c Doutores : nam Chronica, lahio este novo Sol à daCompa. Mol. de ope re sex dierù era tain fermosa , nem tam luz do mundo, com a fermosa nhia. ar. le opere resplandecente como a luz do

luz do instituto da Companhia, sex dierum. Sol, mas muito bastante pera jà impreffo, & em forma lib.2.c.2.&3.

que

regras, ain

a

tas,

Ambrof. in

cap.1.

Como se go

vernava a

mo querem

mos.

с

Christo de

mandou o lancto Cõpanhia

Vem op

Jeronymo

ens.

dos outros

[ocr errors]

que se pudeffem por em exe Itituiçoens , mandou o lancto
1553
cuçam suas fanctas Constitui-
Patriarcha a Portugal o Padre

64.
çoens: as quaes noslo sancto Mestre leronymo Nadal (na-
fundador rinha, com grande | tural da Ilha de Malhorca, Nadal apt
cuydado, composto, vendo pri- | pessoa muy assinalada na Com- blicar as

meiro os institutos, & regras de panhia, em virtude , letras, & cöftituiço. Aprovei. todas as sagradas Religioés que prudencia , & experimentado veitouje

nos vam diante, recolhendo em governo)com titulo de Coinftitutos. como abelha do ceo de todas missario de Hespanha. Posse o

as flores das demais ordens, Padre a caminho, vemse direito
á licor mais precioso, & o or a Portugal,dà conta aos Padres
valho mais puro , & que ma-

Diogo de Miràm, & a Miguel
es lhe quadrava , & dizia com de Torres, seu collateral, da
o espirito a q o Senhor o guia- || importancia do negocio a que
va; posto que a fonte prin- | vinha · Ajuntaranle logo em
cipal', ' aonde mais se 'The Lisboa no Collegio de Sanc
communicou a graça divina, to Antam os principaes Padres
cujos effeitos se vem nas con-

d'esta Provincia , & com gran

: stituiçoens da Companliia, foy | de consolaçam de todos se le a fervence òraçam, na qual ram as constituiçoens , admi. seu sancto custume era tratar randose da novidade de espiricom Deos o 'em que tinha al

da luz divina , da grande guma duvida , communican uniàm, & charidade, em que do tudo miudamente ao autor noflo fancto Patriarcha fundade todo o bem , & pedindo va a Companhia, pintando o com lagrimas á divina sabi leu instituto con tam vivas codoria , The declarafle o que res de virtudes, com tam bel mais convinha neste institu los esmaltes de toda a perfei, pera seu sancto nome ser

çam, que bem mostrava ler tunesta nova Religiàm mais ex do inspirado por aquelle Sealçado. Desta fragoa , & de nhor, a quem Sanctiago chama Epift.Cat.c. sta forja de amor de Deos, sa pay

das luzes. Aceitáram estes 2.n.17. Der hiram as armas das regras , & padres,como cousavinda docéo, patre lumia instituto da Companhia, com tam sanctas leys; & pera que ti- num. que esta nova soldadelca,em sua velle parte nellas hum Rey, a espiritual milicia, peleija contra qué se deviam todas, assentaram o commum inimigo de todo nesta congregaçam, que o melbein.

mo Padre Commissario com o 4 Pera este effeito de Padre Miguel de Torres,&o P. fe haverem de publicar as con: Provincial Diogo Miràm , lhas

F 3

follem

$

[ocr errors]

to

cendens à

h

Ex.C.1.5.8
Ex1.c.1.9.8

præmio A.

9.1. & par.

Chrifio de foflem offerecer, pera que o seu

mas faltandolhe a solemnidade Cópanha 1553. gosto foffe dobrádo , quando pera em tudo obrigar a Religi- 14.

entendeffem que o mesmo Rey am aos subditos: a qual solemni-
que procurára a approvaçam

dade da profissám ordenava que
da Companhia pelo Papa, agora se nam dèffe, senam depois de
the approvava o instituto, orde- largas h experiencias, a homens

nado pelo feu Pacriarcha. de virtude approvada , & de le- Conft. Soc. Quantoel.

Nam se pôde com pou5

tras conhecidas; porque Rey esti.

delta mou ver

cas palavras explicar a giande maneira ficasse a porta aberta & par. 4. in às consi: conlolaçam , & singular satisfa- pera a Companhia poder del & pir.6.c.3 tuiçoens. çam, que mostrou este religiof-pedir aquelles que julgasse que 10.5.9

.
fimo Rey, & senhor nosso, com Ìhe nam convinliam,em quanto
vei,& com ler por fy mesmo, & nam faziam a profissàm folem-
fazer
que
lhe lefsem tam san ne,

& allım se conservasse pura,
ctas ordens , & constituiçoens, & continuafle fanta.
ham menos novas, que admira 6 Admiravase de ver a
veis: a mesma fatisfaçam mof-

Como S. Ig
prudencia com que o Sancto a-

nacio del
tràram os fereniflimos Infantes codio ás grandes desordens, que terrou da
Dom Luis , & o Cardeal Dom ordinariamente sucedem entre côpanhia
Henrique quando as lèram;por-communidades, por causa de vo- a ambiçã.
que por huma parte viam as re tos,&de bandos, ordenando o
gras da Companhia tám pare Sancto como se haviam de fa-
cidas com as das outras lagra zer as eleiçoens em Roma',com
las religioens, & por outra as

a paž,& quietaçam, que muitos Conf. p.6. Confitur. confideravam tam diverfasf, de nos envejam , & todos nos lou- conft.p.10. So ietatis. maneira , que tendo a sustancia

vam ; obrigandose os profeffos S. 6. n.s. Exam. los votos, vinham a ser tàm dif

com voto particular, de nam Ferentes nos accidentes das re procurar dignidade algumas pegras;

& sendo o vestido no ex ra de todo fecharem todas as

terior commum, o modo da vi portas a ambiçam, porque efta Vide Soar. da era tam singular; , ordenado he tam sutil, que entra por quallig.1b 4. c.7 que de tal maneira profeflaffem quer greta; & he ram poderola, ns.& 13.&

os da Companhia, que até nam 10.4.deRe

que arromba os mais fortes ballig.Ib.3. C.; fazerem a ultima profislám fo. luartes da Religiami, nem pera n. 2; & ita lemne,à primeira foffe bastante doa aos mais asperos cilicios: Ambr. fup. gor. XIII in pera os fazer verdadeiros reli antes, como diz S. Ambrosio, a dente Dño. giosos, porém que os votos for muitos, que venceram grandes potuit moExam. c.4. lem simples; tendo a primeira vicios , fez a ambiçam viciosos; i a, nulla ava

profilim todo o valor pera o & ficando vencedores da luxu- ritiisutrueParte 4 c t. brigar os subditos h à Religiám, ria, ficaram sogeiros á vaidade. bitio crimi

En

1

i

f

c.1.n.6.

g

[ocr errors]

Luc. 16.3.
Quos null:

ܪ

n. 2.

h

re, facit im

[ocr errors]

nosos. &c.

[ocr errors]

no monte

m

n.15,

Sharefio de Engrandecia a brandura;&cha

nhia o nam quiz admitir fanc-1 Copanhia 1553. ridade em que o Sancto funda to Ignacio, porque como he Re- 14. Parte 6.c.s. va toda a Companhia, pois sen- | ligiàm, cujo fim todo consiste

do tantos seus preceitos nam os em procurar a salvaçam dos apregoava como antigamente proximos, quiz que, como diz Exa.c....2 Sinay ao fom de

Christo,lhes deflemos gratis og 3. Gratis acExod.c.i9

: espantosos rayos, horrendos tro- || gratis recebemos,pera que com apiftis, gra

voens;& medonhos coriscos, comelhor vontade nos demandas
terror de preceitos, que obriguélem aquelles, que com mayor o-
a peccado, nem ainda venial, se- || brigaçam buscamos:& pera que
nam com espirito de charidade, com mais liberdade, & edifica-
cujas leys quanto mais brandas, çam dos proximos, podessemos
tanto mais poderosas , esperan exercitar noslos ministerios; tē-
do dos subditos que guardariam do por preço de nossos traba-
fuas constituiçoens com fideli-lhos,o bem,& opraveito de suas
dade de filhos,& nam com me almas, que nem pode ser mayor,
do de fervos.:

nem nòs o queremos melhor;&
Ý Påfinava de ver a gran-

chtam nos damos por mais lade disposiçant, & perfeiçám da tisfeitos de nossos empregos,

pobrezan da Companhia, que quando nos vemos mais emprePa.3.C.1.5.7 ádmitindo r&das em commum, gados no ferviço das almas , el

nunca permitia'uso de coufa al-colhédo por premio o trabalho,
guma, como própria, por peque- & por fatisfaçam propria o pro-
na que foffe, em parcicular ; & veito alheyo.

ordenando, o que os: Collegios 8. Tambem louvavam mui.
Exl.c.1.9.7. tiveflem rendas pera os estuda to a pureza angelica , em que

tes, mandava que as casas pro-jefte purissimo Anjo fundava a

fefiás vivessem P de efiròlas pe- Companhia , querendo de fius Par.1o.s.s. ra os professos; & affim às casas, filhos,

filhos, que ainda que eram hocomo aos Collegios, & a todos meris por natureza, foffem anos da Companhia prohibia, co jos na caftidade, aos quaès diz hamia lancta izençàm, que nat que procurem imitar na limpe- n.28. pudeffem tomar eftipendio al za do corpo,& na pureza da algam por mislas, pregaçoens, li ma; que parece ser a Ccmpaçõens, & todos os mais minilte-nhia: aquella 'nova , & angelica rios da Companhia , ainda que familia , de que falla Sam lero

viette com titulo de esmola q: o nymo t na Epistola à Virgő Eu- Hier.adEuExa. 1.5.3 que posto que em outras sagra- | tochio : Filius Dei mgressus super stoc". Epift. & par.6.c... das Religioens fanctamente fe i Jerrram, novam fibi famiham inftruit

, 1 permite , com tudo na

Compa- | lut qui ab angels adorabatur in cælo,

P

5)

Par.6.c.1.S. 1.& in lum

22.6.9.

haberet

« AnteriorContinuar »