Obras completas do cardeal Saraiva (d. Francisco de S. Luiz) patriarcha de Lisboa: precedidas de uma introducção pelo marquez de Rezende

Capa
Imprensa Nacional, 1874
0 Críticas
As críticas não são validadas, mas a Google verifica a existência de conteúdo falso e remove-o quando é identificado
 

Opinião das pessoas - Escrever uma crítica

Não foram encontradas quaisquer críticas nos locais habituais.

Páginas seleccionadas

Outras edições - Ver tudo

Passagens conhecidas

Página 302 - Não foi do Rei Duarte tão ditoso O tempo que ficou na summa alteza ; Que assi vai alternando o tempo iroso O bem co'o mal , o gosto co'a tristeza. Quem vio sempre hum estado deleitoso? Ou quem vio em fortuna haver firmeza? Pois inda neste reino, e neste Rei, Não usou ella tanto desta lei.
Página 316 - ... a el-rei meu Senhor, cuja alma Deus haja, ea mim tem outorgadas. Segunda, por continuar o bom propósito e vontade que sobre isto havia o dito Senhor rei e claramente mostrava em esta forma que o por graça de Deus encaminhei, e com menos poder fazia dele figura de o por em obra; na qual vontade até o fim de seus dias continuou e finalmente disto foram as derradeiras palavras que nos bem pode falar; e por muitas vezes nos disse tais palavras que muito nos constrangiam a proceder em esta conquista...
Página 316 - Duarte não escrevesse entre as ditas razões a seguinte: por que sobre esto me conselhei com os do meu conselho, e grande parte se acordou em esta tençon; ea meus confessores o disse, os quaes mo louvarão, e approvarão &c.
Página 392 - Pelo reino porei a vida muitas vezes ; e pela honra e pela fé porei honra, e vida e tudo...
Página 357 - Portugal huma preoccupação, que nos pareceo digna de ser refutada neste discurso, para que não torne mais a figurar com menoscabo da verdade, e com algum desdouro dos Portuguezes. Consiste em se dizer «que os Portuguezes são propensos a ajuizar, ou suspeitar mal das suas Rainhas viuvas, principalmente sendo estrangeiras, e Castelhanas».
Página 39 - Sobre o caracter que se attribue a elrei D. Affonso II a respeito de seus irmãos, e sobre as discórdias que -com elles houve.
Página 123 - III, havida na Rainha D. Beatriz, e foi o primeiro fructo do cazamento destes Principes. Nasceo na villa de...
Página 245 - Saude e espirito de fortaleza na adversidade.—Chegárão a meus ouvidos numas novas que me turbárão o animo, fazendo que ao ouvil-as meus labios estremecessem. Soube pois por...
Página 246 - E assim, por que razão, sendo tu Varão esclarecido, te atormentas, te affliges, e te enches de pezar, com extremo de dor, por mais justa que seja a causa que te move a isso? Postoque a dor justa seja, deve-a encobrir quem a padece, e não publical-a. E assim quando...
Página 245 - Soube pois por relação de muitos, que aquelle dia foi espantoso, irado e cruel contra tua Magestade, contra tua gloria, e contra toda a tua Hespanha, temida de todos, desd'onde nasce o sol até o seu occaso. Cahio, quiçá, por isto o Principe temido e poderoso: do...

Informação bibliográfica