Viriato: a epopeia lusitana : narrativa histórica

Capa
Zéfiro, 2009 - 237 páginas
0 Críticas
Viriato é uma narrativa histórica sobre A Grande Epopeia da Lusónia, cujo símbolo está encarnado no mítico chefe lusitano, que sonha com uma terra liberta do jugo de Roma Para o sábio Idevor – conhecedor das mais antigas tradições lusitanas –, o sentido místico do nome Viriato encontra-se ligado ao Touro – animal tutelar dos nossos antepassados, símbolo da valentia e da missão libertadora do herói Viriato, o libertador da Lusitânia, é reconhecido como sendo digno de receber a Víria- o Colar dos Três Crescentes, legado da época em que os Estados lusitanos estavam unidos solidariamente nos costumes e no governo da Callaecia e da Bética, em torno da Lusónia Andergus desejava forjar com as suas mãos uma espada que fosse companheira de Viriato nas batalhas contra o invasor romano Mas o druida sabia que tal espada heróica – consagrada para as vitórias – existia e que o seu poder tornava invencível quem a cingisse- a Espada Gaizus! Talismã de liberdade, achava-se oculta, enterrada em chão lusitano O herói Viriato aceita o desafio invocado no antiquíssimo Tesouro do Luso, o Poema da Raça, que encerra o destino da Lusitânia e das suas gentes

No interior do livro

Opinião das pessoas - Escrever uma crítica

Não foram encontradas quaisquer críticas nos locais habituais.

Índice

Introdução
9
Capítulo 1
13
Capítulo XIII
61
Direitos de autor

47 outras secções não apresentadas

Outras edições - Ver tudo

Palavras e frases frequentes

Informação bibliográfica