O padre amaro, ou Sovéla, politica, historica, e literaria [ed. by J.J. Ferreira de Freitas]. [With] Appendice, Volume 3

Capa
 

Outras edições - Ver tudo

Passagens conhecidas

Página 300 - Não podendo porém a Constituição que em consequencia dos mencionados poderes se ha de estabelecer e sanccionar para os Reinos de Portugal e Algarves ser igualmente...
Página 81 - ... poder tenha sido exercitado em uma nação, ou por um, ou por muitos, ou concentrado, ou repartido, ou limitado por leis expressas, ou confiado sem alguns limites, nem a força das armas, nem os habitos inveterados, nem o decurso dos tempos podem jamais despojar essa nação da faculdade e...
Página 182 - ... 12<? - Nenhuma lei, e muito menos a penal, será estabelecida sem absoluta necessidade.
Página 188 - ... servindo provisoriamente de constituição, com declaração, porém, que os casos exceptuados, de que trata o artigo 5.°, serão interinamente os mesmos da legislação actual, e que a execução dos artigos 8.°, 9.°, 10.° e 11.° ficará suspensa por depender de novas leis, que serão feitas immediatamente. A...
Página 72 - Portugal, separado do seu Soberano pela vasta extensão dos mares, privado de todos os recursos de suas possessões ultramarinas, e de todos os benefícios do comércio...
Página 182 - Toda a pena deve ser proporcionada ao delito, e nenhuma deve passar da pessoa do delinquente. A confiscação de bens, a infâmia, os açoutes, o baraço e pregão, a marca de ferro quente, a tortura e todas as mais penas cruéis e infamantes ficam em consequência abolidas.
Página 84 - D. Filippe IV com o do Senhor D. João VI; os sentimentos do primeiro para com os Portuguezes com as virtudes que elles mesmos reconhecem no segundo, e com o amor e benevolencia de que Lhe são devedores. Mas nem por isso é menos certo que a Nação soffria ao presente a mesma pobreza, a mesma decadencia, os mesmos vicios ea mesma oppressão que n'aquella epocha.
Página 81 - ... a necessidade inevitavel de ser feliz, eo poder que a natureza depositou em suas mãos de empregar os recursos proprios para o conseguir. A natureza fez o homem social para lhe facilitar os meios de prover á sua felicidade, que é o fim commum de todos os seres racionaes. As sociedades não podem existir sem governo; a natureza pois aconselha a existencia...
Página 184 - Cada um d'estes poderes será respectivamente regulado de modo que nenhum possa arrogar a si as attribuições do outro. 24.° A lei é a vontade dos cidadãos declarada pelos seus representantes juntos em cortes. Todos os cidadãos devem concorrer para a formação da lei, elegendo estes representantes pelo methodo que a constituição estabelecer.
Página 182 - Cidadão pôde conseguintemente, sem dependencia de censura previa, manifestar suas opiniões em qualquer materia ; com tanto que haja de responder pelo abuso desta liberdade nos casos e na fõrma que a lei determinar. 9.

Informação bibliográfica