Imagens das páginas
PDF
ePub

Pelourinho, a que já se chamava velho, desdobravam-se em ruas confusas, estreitas, com poças e regueiros immundos, onde vinham correr, na estação das chuvas, as enxurradas precipitadas pelas viellas ingremes cortadas em escadas feitas com pedra de Bagaim. As casas eram terreas, a vida miseravel, e a população moura, mestiça, africana, malaya, ou indigena das castas inferiores principalmente: gente de todas as côres, desde o negro retinto do cafre e do tuluva, vendidos como escravos no Bazar, até ao branco macillento do arabe com o rosto voltado para o Oriente a invocar Allah, e ao pardo dos canarins, que das communas do interior das terras vinham todos os dias a Goa em champanas pela ria trazer ao mercado o arroz, as fructas e legumes.

Por essas ruas escuras, mulatos vendiam o vinho de palmeira, çura, orraque, xaráo, ou, jungidos a dous e a quatro, carregavam fretes com grossos bambús suspensos nos hombros: por essas ruas corria o enxurro dos «disparates da India). Os harens e os alcouces coroavam os vicios proprios da escravidão e da aventura, abrindo-se como flor de peste ao calor de um sol genesiaco. Raparigas de olhos negros rasgados, com o panno fisgado á cintura, deixando vêr a côxa núa, saracoteavam-se, offerecendo-se, arrastando provocantemente as suas sandalias de ola, trincando com sorrisos brejeiros caroços de tamarindo. Uma das rendas dos senhores de escravos era mandal-as assim offerecer o corpo pelas ruas.

A's portas dos prostibulos, acocoradas, as «perrinhas malabares » de ventarola ao peito, com a cabeça engrinaldada de champacas, interpellavam denguemente os transeuntes n'aquella «lingoagem meada

de hervilhaca» de

que

falla Camões nas suas cartas. Ao lado, os garopeiros desenroscavam serpentes, e, nas encruzilhadas das ruas, barbeiros rapavam aos freguezes o alto da cabeça. Por cima, nas janellas, as meninas faziam meia, ou torciam canudos, sentadas em esteiras, com alguma tia velha catando-lhes a cabeça.

N’um desvão, entre o circulo de reinóes que, de mão na cinta, chapéo orgulhoso e espada empertigada, gastam, divertindo-se, o soldo recebido para a campanha que se prepára, ou o fructo da rapina da campanha que terminou, bailadeiras de manilhas nas pernas e nos braços, collares no pescoço, brincos e anneis vistosos, envolvidas em musselina, com os cabellos atados em nó no alto da cabeça engrinaldada de flôres, dançam ao som da murdanga, revirando os olhos, bamboleando o corpo inteiro ao compasso das contorsões dos dedos e dos calcanhares cingidos de guizos, revolvendo os olhos n'um sonho de voluptuosidade que faz crescer agua na bocca e furia no peito dos reinóes bravios. Ao lado cantam-se launis, ou dança-se o mandó ao som da glumcatta, que é um tambor de barro, afunilado, com pelle de talagoia por tampa.

Na sua loba, com cinto de galão e gorro velho, o mercador chatim portuguez joga aos dados no portal da casa; e os reinóes afogueados seguem pelas ruas, bebendo ventos, em busca das moraxas, mascando o seu betel á moda da terra, entre soldados que passam hydropicos, entisicados, amarellos de febre, crivados de sarna. Uns véem, outros vão, da India, pelo meio da turba dos indigenas listrados na testa com um pó feito de xene, que é a bosta de vacca resequida e pulverisada de mistura com a tinta do sandalo posto de molho, ou de

amarello de açafrão, ou de vermelho de cucomb. Os sectarios de Vishnu pintam riscas verticaes, os de Shiva põe-n'as horisontaes.

Saímos d’este capharnaúm do Pelourinho pela estrada da Luz, para os altos que dominam Goa; de lá se desfructa a vista de toda a ilha, por ahi successivamente se irão erguendo S. Thomé o a Trindade e Santa Cruz dos Milagres. E' n'esses suburbios do sul que se accumulam as hortas e pomares de recreio dos senhores de Goa; e, inflectindo para o nascente, passando S. Thiago, em frente da grande alagoa, fica o campo de S. Lazaro, em que os fidalgos jogam as cannas, e o terreiro-dos-gallos onde assistem a essa especie de combates. Descendo mais, vamos caír contra a ria, em cuja orla, acima da cidade, os brahmines mysticos, na sua alvura impenetravel, ostentam as boticas e herbolarios, vendendo mésinhas e bagatellas.

E seguindo pela margem, achamo-nos outra vez no Terreiro do Paço, com a rua Direita em frente, no proprio coração da Goa hoje triumphante, onde a multidão se comprime, o calor suffoca, e a musica, os sinos e as salvas ensurdecem. Os eirados e terraços das casas vergam sob a carga do

povo. Cega a vista o deslumbramento das côres das tapeçarias e dos guarda-sóes e velarios rutilantes do Guzerate, dos tafetás, velludos e setins, que substituiram nos trajos o preto lugubre habitual. O sol fuzila nas

e couraças de aço polido illuminadas em cheio e nos diamantes dos corpetes e gorros emplumados.

Ao lado da couraça rutilante, como contraste, passa o habito negro e branco do dominico, ou a cogúla parda do franciscano. O soldado e o frade, a cruz e a espada, triumpham enlaçadas : impera o por

armas

tuguez! «Basta sel-o, para ser tanto como o rei, ou mais).

Goa é duas vezes Roma: a antiga pelo imperio, a moderna pela fé. Eramos um punhado de homens no meio do mar immenso dos gentios; mas a consciencia da nossa força e a audacia de uma vontade que, como em Israel, se acreditava mandataria de Deus, asseguravam-nos, como aos spartanos, pelo Terror tambem, a submissão acabrunhada dos ilotas indios.

A' porta da Fortaleza, ladeada pelos leões de ouro erguendo nas garras as roelas triumphantes dos Castros, a nobreza e os cabos da milicia, com o regimento da cidade e o seu senado, esperavamo triumphador, recebendo-o debaixo de um pallio. Recitaram-lhe um discurso em latim — em latim, attenda-se, tamanha era a preoccupação classica ! «Jazia humilhado o sceptro de Cambaya, o mais poderoso do Oriente; as nossas armas exaltavam a fé e o imperio; levavamos o Evangelho ás remotas partes do mundo; agora, triumphantes nós, os mouros e gentios de rastos batiam nos peitos, confessando o seu erro e a omnipotencia do Deus verdadeiro...)

Quando o discurso acabou, tiraram da cabeça ao vice-rei o gorro de velludo e substituiram-n'o por uma corôa triumphal de louros, á romana. Na mão pozeram-lhe nma palma. E de corôa e palma sobre o peito, D. João de Castro, compenetrado do papel que representava, caminhou debaixo do pallio em direcção á Sé. A' frente da procissão ia o custodio dos franciscanos com o proprio Crucifixo que sobre os muros de Diu acudira á batalha, descravandolhe um pelouro o braço que levava pendente; e, ao balouçar-se no ar, parecia agora distribuir ás gentes accesas en fé bençãos e approvações. Depois da cruz, vinha a bandeira branca das quinas desfraldada, e rojados pelo chão os estandartes de Cambaya; depois vinham os prisioneiros e os despojos, como nos triumphos romanos de que este era a cópia classica, precedendo o vencedor cujo espirito se affeiçoára tambem pelos modelos litterarios da Antiguidade.

Os sinos repicavam furiosos, as musicas tocavam, no rio os canhões troavam. Ensurdecia-se. Das varandas das janellas as senhoras, sentadas em almofadas sobre tapetes profundos da Persia, ladeadas por escravas abanando o ar com leques de plumas, sorviam a goles a agua de côco refrigerante por tayas de filigrana de ouro de Delhi. Carregadas de pedraria, com enormes rosarios de perolas pendentes do pescoço, cruzes de brilhantes no peito e as mãos cobertas de anneis e pulseiras, borrifavam de perfumes o prestito, tomando as caçoulas das mãos das escravas, que lh'as davam cheias.

Ao longo da rua Direita, as lojas de ourives e lapidarios exhibiam as suas joias; e os argentarios, xarofos gordos e luzidios, presidiam encruzados á exposição seductora das pilhas de moedas de ouro e prata, alinhadas sobre tapetes, luzindo-lhe no peito os pagodes, os venezianos e os san-thomés de ouro, suspensos por grilhões possantes. Sobre a gente, os chapéos largos, de seis e sete pés de diametro, formavam abobada impenetravel ao sol, movediça, dando á mó do povo, que oscillava nas praças e nas ruas, o aspecto de um monstro singular, couraçado no dorso por escamas negras.

Rasgando essa couraça, passava o fidalgo sobre o seu cavallo de Ormuz, com arreios de Bengala ou da Persia, bordados de ouro e prata, e engistes

« AnteriorContinuar »