Memoria historica da Faculdade de Philosophia

Capa
Imprensa da Universidade, 1872 - 335 páginas

No interior do livro

Índice

Outras edições - Ver tudo

Passagens conhecidas

Página 233 - ... outras hervas, arbustos, e ainda arvores das diversas partes do mundo, em que se tem derramado a curiosidade, já viciosa e transcendente, dos sequazes de Linneu...
Página 273 - Na terceira apresenta umas tabelias zoologicas, comprehendendo em cada classe todas as ordens, e em cada ordem os principaes generos com os caracteres distinctivos mais importantes, e explicação dos termos technicos da sciencia. É obra escripta com muito methodo e clareza, e contém a mais sã doutrina que vigorava neste ramo da historia natural no fim do seculo passado. Este distincto professor foi socio da Academia real das sciencias de Lisboa. Depois de jubilado retirou-se para Antuzede, suburbios...
Página 271 - Memoria sobre a preferencia que em Portugal se deve dar á agricultura sobre as fabricas. Idem. — Memoria sobre varias misturas de materias vegetaes na factura dos chapeos.
Página 30 - A reforma da instrucção portugueza começara pela secundaria. Em cada villa foi instituida uma cadeira de portuguez e latim, e pelo reino um certo grupo de escholas de philosophia, eloquencia e grego. Seguiu-se a resurreição da Universidade de Coimbra. Tinhamos assistido ao lastimoso espectaculo, que nos dera o proprio rei D. João...
Página 233 - Magestade n80 quer jardim maior, nem mais sumptuoso, que o de Chelsea na cidade de Londres, que é a mais opulenta da Europa ; e pela outra parte, que debaixo d'esta idéa se demarque o logar ; se faça a planta d'elle com toda a especificação das suas partes; e se calcule por um justo orçamento o que ha de custar o tal jardim de estudo de rapazes, e não de ostentação de principes, ou de particulares, d'aquelles extravagantes e opulentos, que estão arruinando grandes casas na cultura de bredos,...
Página 299 - Memoria sobre a determinação directa de uma nova variedade de forma cristalina do carbonato de cal, e sobre as notaveis propriedades que ella manifesta. Lida na Sociedade Philomatica de Paris, na sessão de 24 de Julho de 1813.
Página 232 - Reservei até agora a resposta sobre a planta que esses professores delinearam para o jardim botanico, porque julguei preciso precaver a v. ex.* mais particularmente sobre esta materia. Os dictos professores são italianos: ea gente d'esta nação, costumada a ver deitar para o ar centenas de mil cruzados de Portugal em Roma, e cheia d'este enthusiasmo, julga que tudo o que não é excessivamente custoso não é digno do nome portuguez ou do seu nome dYlles.
Página 290 - Os escriptos d'este sabio, diz o sr. Rodrigues de Gusmão nos seus interessantes Bosquejos Biographicos, considerados em respeito ao assumpto sobre que versam, deve confessar-se que foram, e ainda hoje são, de mui alta valia, porque dilataram a sciencia ; porém, se attendermos aos grandes serviços que por elles prestou á lingua, abastando-a e enriquecendo-a como creador, mais subido merito lhes acharemos.
Página 44 - ... exigiam ; accumulou muitas disciplinas em cada curso, desprezou a ordem logica eo nexo natural e philosophico na distribuição das doutrinas pelos diversos annos, e tornou difficil e quasi impossivel a frequencia da Faculdade pelos preparatorios de mathematica e medicina.
Página 262 - Publica, lido em sessão publica do mesmo Conselho no dia 25 de novembro de 1847 — Sahiu no vol. vn da Revista Universal Lisbonense, pag. 53. — Relatorio e programma para a reforma da Philosophia racional e moral. Coimbra, na Imprensa da Universidade, 1851. — Breves reflexões sobre o «Compendio de moral e principios de Direito natural

Informação bibliográfica